Melania sobre #MeToo: vítimas têm de mostrar “provas evidentes”

A mulher de Donald Trump diz que apoia as vítimas de abusos sexuais, “não apenas as mulheres, mas também os homens”, mas defende serem necessárias “provas evidentes” para acusar alguém.

A primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, colocou-se ao lado das vítimas que denunciaram casos de abusos sexuais, movimento que ficou conhecido por #MeToo. No entanto, sublinhou a necessidade de ”provas evidentes” por parte delas.

Em entrevista ao canal de televisão ABC, Melania Trump diz que defende as vítimas, mas é preciso haver “provas evidentes” dos abusos sexuais, porque “por vezes a imprensa vai longe de mais na forma como retratam alguns casos”.

“Apoio as mulheres e elas precisam de ser ouvidas. Precisamos de apoiá-las e não apenas mulheres, homens também”, começou por defender Melania, acabando por conduzir o jornalista, Tom Llamas, à questão seguinte: “Acha que os homens que foram acusados de assédio e agressão sexual foram tratados de forma injusta?”.

Neste ponto, a mulher de Donald Trump é clara: “É necessário haver provas sólidas das acusações. Mostrem-nas. Têm de mostrar provas. Não podem simplesmente dizer que foram assediadas sexualmente, porque por vezes os média vão longe demais e a forma como retratam algumas histórias… não é correta.”

 

 

O próprio presidente norte-americano, Donald Trump, que é acusado por várias mulheres de abuso sexual – acusações que tem negado continuamente – acabou mesmo por dizer que se vivem “tempos assustadores” na América: os rapazes “podem ser acusados de algo que não têm a culpa”.

 

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas: porque é que Nikki Haley deixou a ONU?

Representante da administração de Donald Trump nas Nações Unidas foi um dos pilares da Casa Branca na defesa dos seus avatares diplomáticos, muitas vezes ao arrepio de praticamente todos os outros países da organização.

Senado norte-americano aprova nomeação de Brett Kavanaugh

Senado aprova Brett Kavanaugh para ser o juis do Supremo Tribunal de Justiça norte-americano depois de uma votação renhida do Comité Judicial do Senado.

“Nego as acusações imediata, categórica e inequivocamente” afirma Kavanaugh

“A minha família e o meu nome foram completamente destruídos” admitiu o juíz nomeado a Supremo Tribunal
Recomendadas

Falhar o combate contra o aquecimento global “não seria apenas imoral, seria suicida”, diz António Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os representantes presentes na cimeira do ambiente que se não aumentarem os esforços em relação às alterações climática, os resultados serão “não apenas imorais, mas suicidas” para o planeta.

Número de jornalistas presos atinge novo recorde, com 251 profissionais aprisionados

Pelo terceiro ano consecutivo, cerca de 251 jornalistas estão presos em todo o mundo, o que sugere que a abordagem autoritária à cobertura crítica de notícias é mais do que um pico temporário. China, Egito e Arábia Saudita aprisionaram mais jornalistas do que no ano passado. A política é o tema mais arriscado, seguido pelos direitos humanos.

Catalunha novamente ameaçada com a interrupção da autonomia

Governo socialista acena com a possibilidade do regresso do artigo 155 – o que provocará eleições antecipadas na região. O perigo de essa antecipação se dar a nível nacional é cada vez maior.
Comentários