Número de empresas criadas em Portugal aumenta 12,6% nos primeiros quatro meses do ano

Nos primeiros quatro meses do ano, o número de empresas criadas em Portugal aumentou 12,6% enquanto que as entidades encerradas subiu 2,5%.

De acordo com o barómetro Informa D&B, de janeiro a final de abril, foram criadas 19.846 mil empresas e encerradas 5.078 mil.

A Informa D&B revela que o crescimento da criação de novas empresas no país, sendo generalizado a quase todos os setores de atividade e distritos, fica marcado pelo setor dos transportes, onde a constituição de novas empresas mais que duplicou (mais 113,2%), para 892.

Para este valor, contribui de forma muito significativa o transporte ocasional de passageiros em veículos ligeiros, sobretudo na Área Metropolitana de Lisboa, coincidindo com a promulgação da Lei 45/2018 que regula a atividade de transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataformas eletrónicas.

Além dos serviços, que é sempre um setor onde surgem mais empresas, a construção surge como sendo uma das áreas em que se estão a criar mais empresas (2.345 mil até final de abril), ultrapassando o retalho e o alojamento e restauração.

Nos primeiros quatro meses deste ano, a construção foi um dos setores em que se verificou uma das maiores subidas percentuais na criação de novas empresas, com mais 40,5% face ao período homólogo, segundo o barómetro.

A análise realizada permitiu concluir que o aumento de 12,6% em termos de criação de novas empresas em Portugal até abril mostra uma particularidade: “Deixa de fora as atividades imobiliárias e o alojamento e restauração, dois dos setores mais dinâmicos na criação de novas empresas nos anos mais recentes”.

“Face ao período de janeiro a abril, a atividade imobiliária reduz em 6,2% as novas empresas e o alojamento e restauração [diminui] em 1,8%”, refere a Informa D&B, justificando o recuo no caso do alojamento e restauração, em particular, devido à descida no subsetor do alojamento de curta duração.

Depois de um ano de 2018 com uma “acentuada subida” nos encerramentos de empresas, este ano “começou incerto”, com os dois primeiros meses a registarem uma subida nos encerramentos de 6,3% em relação ao mesmo período do ano passado, valor que foi depois equilibrado no final do primeiro trimestre do ano.

Nos quatro primeiros meses deste ano verificou-se um aumento de 2,5% no encerramento de empresas, que não é transversal a todos os setores, e para o qual contribuíram com maior peso os setores da agricultura e outros recursos naturais (25,6%) e o das tecnologias da informação e comunicação (12,7%).

O barómetro refere ainda que, até abril, foram registadas 743 novas insolvências, o que representou uma queda de 14,8%, face a igual período do ano anterior.

No caso da indústria, há a registar 217 novas insolvências (mais 16,0%) e nos transportes observaram-se 38 novas insolvências (mais 11,8%), pelo que ambos os setores foram os únicos a registar mais insolvências do que ano anterior.

Ler mais
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários