“O investimento feito no turismo valorizou o destino Madeira”, defende Paula Cabaço

Com esta valorização, referiu a secretária regional do Turismo e Cultura, o destino Madeira acabou por se diferenciar permitindo que seja vendido a “preços mais justos e equilibrados”.

A secretária regional do Turismo e Cultura, Paula Cabeço, afirmou que o investimento que tem sido feito no turismo acabou por valorizar o destino Madeira, durante a Conferência Anual do Turismo, da Ordem dos Economistas da Madeira, sob o tema rentabilidade.

“Esse investimento valorizou o nosso turismo nas suas mais diversas dimensões”, referiu a governante na sessão de encerramento da Conferência Anual do Turismo.

Com esta valorização, destacou Paula Cabaço, o destino acaba por se diferenciar e ser vendido “a preços mais justos e equilibrados”.

Das novas empresas que têm sido criadas na Madeira, 32% são do sector do turismo, disse a governante, que acrescentou que quando se fala de rentabilidade engloba-se o “investimento e das oportunidades que se encontram ao dispor” dos empresários.

As sinergias entre ‘players’ do setor foi outra área onde o turismo deve continuar a investir bem como na “inovação e empreendedorismo e produtividade”.

Paula Cabaço defendeu ainda negociações para entrada de uma nova companhia na rota área e da importância de mercados como a Inglaterra para o turismo da Madeira.

 

Ler mais
Recomendadas

Uaucacau abre loja temporária com chocolates alusivos ao natal

A empresa produz chocolates artesanais recorrendo a produtos regionais.

Funchal já finalizou diagnóstico de carências habitacionais do concelho

O incentivo ao arrendamento, a reabilitação do edificado, a reabilitação de núcleos degradados, e a construção de novos empreendimentos de habitação social, foram as áreas identificadas como prioritárias por Paulo Cafôfo, presidente da autarquia.

Mais Porto Santo pede união dos partidos em torno das ligações marítimas e áreas

Para o vereador José António Castro existem “batalhas que são comuns” e que neste particular “não faz sentido” reivindicar individualmente o que é um problema geral.
Comentários