Paris anuncia nível de segurança “considerável” para enquadrar ‘coletes amarelos’

Dispositivo vai voltar a mobilizar cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança, em toda a França, à semelhança do ocorrido em meados de dezembro, anunciou governo francês.

Um dispositivo de segurança “considerável” vai ser criado para enquadrar o próximo dia de protestos dos designados ‘coletes amarelos’, no sábado, dado o nível de violência do fim-de-semana passado, anunciou hoje o primeiro-ministro francês.

O anúncio foi feito por Edouard Philippe esta noite, em declarações na estação televisiva TF1.

O dispositivo vai voltar a mobilizar cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança, em toda a França, à semelhança do ocorrido em meados de dezembro, avançou o chefe do governo, prometendo que os manifestantes violentos “não vão ter a última palavra”.

O primeiro-ministro anunciou também que foi decidido interditar o acesso às manifestações dos participantes violentos identificados e que já foram condenados cerca de um milhar destes, desde o início dos protestos em 17 de novembro.

Relacionadas

“Coletes amarelos, não desistam!” Governo italiano declara apoio a manifestantes franceses

“Coletes amarelos, não desistam!”, escreveu o vice-primeiro-ministro e líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), Luigi di Maio, num texto publicado no blogue do partido.

Macron garante justiça face a “extrema violência” dos ‘coletes amarelos’

O presidente francês garantiu que a “justiça será feita” face à “extrema violência” contra a República num sábado que registou em todo o país recorde de 50 mil ‘coletes amarelos.

Manifestações dos ‘coletes amarelos’ em Paris com 101 detenções

As manifestações dos ‘coletes amarelos’ foram menos participadas que as de sábado passado, mas a tensão e a violência repetiram-se.
Recomendadas

Investimento estrangeiro: Macron ‘vende’ França como o país mais atrativo da Europa

Presidente francês convidou para o Palácio do Eliseu dezenas de empresários de topo em trânsito para Davos. O encontro, que faz parte de uma estratégia chamada ‘Escolha a França’, parece ter sido um sucesso.

Britânica Dyson deixa Londres e parte a caminho de Singapura

James Dyson, fundador da empresa de eletrodomésticos e um dos empresários que fez campanha em favor do Brexit, diz que a mudança tem apenas a ver com as inúmeras oportunidades que surgem na Ásia.

Quatro mulheres deixaram água e comida a migrantes. Foram condenadas nos EUA

Ativistas foram condenadas por um juiz norte-americano no final da semana passada. É a primeira sentença criminal por causas humanitárias no espaço de uma década.
Comentários