Presidente do BCP defende fim do sigilo bancário nas comissões parlamentares de inquérito

Miguel Maya defende o fim do sigilo bancário nas comissões parlamentares de inquérito.

Cristina Bernardo

O presidente-executivo do BCP defende o fim do sigilo bancário nas comissões parlamentares de inquérito (CPI).

“Se queremos apurar a verdade não pode haver esse tipo de constrangimentos”, disse Miguel Maya em entrevista ao Jornal de Negócios/Antena 1 este sábado, 15 de junho.

“O tema do sigilo bancário é um tema que me preocupa. O sigilo bancário tem imenso valor, mas há momentos em que há outras coisas que podem ter mais valor. Eu acho que é importante que em sede de comissão parlamentar de inquérito, possa não haver sigilo bancário”, destacou o gestor.

“Os deputados estão a fazer perguntas que são legítimas para apurar a verdade, mas sabem que quem está do outro lado está sujeito ao sigilo bancário, não pode responder. Todas as decisões relevantes que tomei tenho a consciência daquilo que fiz em cada um dos momentos. Não poder responder sabendo a verdade, não o poder dizer com base no sigilo bancário,  eu veria com gosto que em sede parlamentar de CPI pudesse ser dispensado o segredo bancário”, afirmou o líder do BCP.

Recomendadas

Taxas Euribor renovam mínimos de sempre a três, seis e 12 meses

Taxa Euribor a seis meses desceu esta quarta-feira para -0,357%, novo mínimo de sempre e menos 0,007 pontos do que na sessão anterior.

Crédito Agrícola é o primeiro banco português a disponibilizar o Apple Pay

O banco garante que a utilização desta funcionalidade não tem qualquer custo para o utilizador e a aceitação de pagamentos através do Apple Pay não representa custos adicionais para o comerciante.

E se não houvesse crédito aos consumidores?

Se assim fosse, na categoria técnica de crédito ao consumo, seríamos uma sociedade menos dinâmica, socialmente menos desenvolvida, e tendencialmente mais pobre.
Comentários