PSD junta-se à esquerda para chumbar decreto da contagem parcial do tempo de serviço dos professores

O Partido Comunista (PCP), Bloco de Esquerda (BE) e o PSD consideram que contar apenas dois dos nove anos de carreira congelados é insuficiente e querem rever a medida no Parlamento

O Partido Social Democrata (PSD) vai juntar-se à esquerda para chumbar o decreto-lei que visa a contagem parcial do tempo de serviço dos professores. O Partido Comunista (PCP), Bloco de Esquerda (BE) e o PSD consideram que contar apenas dois dos nove anos de carreira congelados é insuficiente e querem rever a medida no Parlamento, avança o jornal “Público” esta segunda-feira.

Os partidos têm a possibilidade de pedir apreciação no Parlamento de decretos-lei aprovados em Conselho de Ministros, que não passam obrigatoriamente pela Assembleia da República. É isso que o PSD, PCP e BE prometem fazer caso o Presidente da República venha a promulgar o decreto-lei do tempo de serviço dos professores. O PCP e o BE já assumiram que, depois da apreciação parlamentar, vão votar a favor da anulação do decreto.

O mesmo garante o PSD. Os sociais-democratas acreditam que contar dois anos, nove meses e 18 dias, como propõe o Governo, fica aquém das expectativas e é preciso contar a totalidade dos nove anos congelados. O decreto-lei em causa foi aprovado dia 4 de outubro e ainda não chegou a Belém para promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Segundo o jornal “Expresso”, “o dilema presidencial está em 50%-50%”, existindo ainda dúvidas sobre se deve ou não promulgá-lo.

 

Recomendadas

PR defende Lei de Bases da Saúde flexível e espera o maior acordo possível entre partidos

O chefe de Estado disse ainda esperar que haja “o maior acordo possível” entre os partidos na votação de uma Lei de Bases da Saúde “flexível”.

Marcelo afirma que “autonomia do Ministério Público é indiscutível”

O Presidente da República reagia assim à greve convocada hoje, pelo Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, contra a intenção do PS e PSD de alteração na estrutura do Conselho Superior do Ministério Público, compondo-o maioritariamente por não magistrados.

PSD quer ouvir ministro do Ensino Superior sobre dificuldades financeiras nas universidades e politécnicos

Os sociais-democratas defendem que as universidades e politécnicos são fundamentais para o desenvolvimento territorial e uma asfixia a estas instituições significa penalizar a região.
Comentários