Respostas Rápidas: O que se está a passar nos CTT?

Perceba o que levou uma das empresas mais emblemáticas do País a estar sob fogo cerrado dos sindicatos e trabalhadores e da maioria parlamentar que apoia o Governo, enfrentando uma greve de dois dias nas vésperas de Natal.

Que efeitos terá a greve dos CTT?

Os trabalhadores dos CTT vão estar em greve na quinta e na sexta-feira (21 e 22 de dezembro) por melhores condições de trabalho e pela manutenção dos empregos. Tendo em conta que foi convocada pelas duas centrais sindicais, a CGTP e a UGT, a paralisação deverá ter forte impacto e atrasar a distribuição de cartas e de outras encomendas postais nesta quadra natalícia, considerada uma das épocas altas do ano para o sector da distribuição postal. Prevê-se, também por isso, uma transferência dos pedidos para outros concorrentes dos CTT a operar no mercado nacional. A greve e este desvio de clientes constituirão perdas para os CTT, cuja contabilidade será efectuada posteriormente.

Por que foi marcada a greve?

Quer o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações, filiado na CGTP, quer o Sindicato Democrático dos Trabalhadores dos Correios, Telecomunicações, Media e Serviços (SINDETELCO), filiado na UGT, explicam que a justificação desta greve se prende com a degradação do serviço dos CTT, que acusam de incorrer em constantes atrasos e de ser alvo de condenações consecutivas por parte do regulador, a Anacom.

Os dois sindicatos também querem evitar que avance o plano de reestruturação dos CTT, apresentado ontem pela administração da empresa.

O que prevê o plano de reestruturação dos CTT?

Este plano de reestruturação inclui a redução das remunerações da administração, a redução de cerca de 800 postos de trabalho a tempo inteiro ao longo de três anos, “em consequência da queda do tráfego do correio”. Esta redução aplica-se a um total de 6.700 funcionários nos CTT, dos quais 6.200 efetivos e perto de 500 contratados a termo. Anteriormente, já havia sido anunciada pela empresa uma redução de cerca de 200 trabalhadores, dos quais 140 já aceitaram sair da empresa. O plano de reestruturação tem custos totais estimados em cerca de 25 milhões de euros e prevê ainda o encerramento de balcões, a venda de imóveis e congelamento de salários de trabalhadores.

Os CTT vão regressar à esfera do Estado?

O resgate da concessão dos CTT e o regresso da empresa à esfera do Estado tem sido um cenário colocado em cima da mesa nos últimos dias, mas tudo depende do Governo. Ainda há poucos minutos, o primeiro-ministro António Costa garantiu no debate quinzenal da Assembleia da República que não é intenção do Executivo nacionalizar os CTT. No entanto, é essa a intenção assumida pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP. E o próprio grupo parlamentar do PS tem sido bastante crítico da actual gestão da empresa, tendo entregue na semana passada um requerimento para a audição sobre a qualidade dos serviços dos CTT – Correios de Portugal. Portanto, se o chefe de Governo não quer nacionalizar, mas se os três partidos que apoiam o atual Governo atacam o modelo de gestão dos CTT, o futuro da empresa permanece uma incógnita que só deverá ser solucionada em 2018.

A atual concessão dos CTT termina em 2020.

O que se pretende com a audição parlamentar sobre os CTT? 

A intenção é ouvir os responsáveis da entidade de supervisão, a ANACOM, assim como a administração dos CTT, os sindicatos e comissões de trabalhadores e de utentes dos CTT, a Associação Nacional de Municípios, a ANAFRE (associação das Juntas de Freguesia), bem como os Governos Regionais dos Açores e da Madeira. Agora, com o plano de reestruturação como pano de fundo. O PSD e o CDS, que conceberam o processo de concessão do serviço dos CTT a privados estão contra a nacionalização, embora os seus votos atuais não tenham peso para tomar uma posição decisiva sobre a questão. 

Ler mais
Relacionadas

Costa garante: “Não, não é intenção do Governo nacionalizar os CTT”

“Quanto muito haveria lugar a resgate de concessão,” ressalvou o primeiro-ministro, em resposta a Hugo Soares, do PSD. Ou seja, Costa rejeita a hipótese de nacionalização, mas admite um “resgate de concessão” que, na prática, iria ao encontro do que Catarina Martins, líder do BE, defendera escassos minutos antes: “Os CTT só servem o país se forem públicos.”

Catarina Martins questiona António Costa: “Irá o Governo recuperar para a esfera pública o serviço postal dos CTT?”

A líder bloquista alerta para práticas de “assalto” e “pilhagem” nos CTT pós-privatização e insta o Governo a chumbar o processo de reestruturação em curso e a reverter a privatização. Costa remete para avaliação de grupo de trabalho recém-formado e enjeita possibilidade de renacionalização.

Greve nos CTT vai atrasar distribuição das suas cartas amanhã e sexta

Fernando Ambrioso, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações, filiado na CGTP, disse à agência Lusa que “a paralisação deverá ter uma forte adesão, tendo em conta a mobilização demonstrada pelos trabalhadores nos locais de trabalho”.

Ações dos CTT disparam após apresentação do plano de reestruturação

Os investidores estão agradados com o plano de reestruturação apresentado pelo operador postal esta segunda-feira e que inclui cortes de 25% nos salários dos gestores e a redução de 800 postos de trabalho nas operações

CTT vão reduzir 800 pessoas nas operações em três anos

Os CTT preveem reduzir cerca de 800 pessoas nas operações da empresa ao longo de três anos, devido à queda do tráfego do correio, de acordo com o Plano de Transformação Operacional hoje divulgado.
Recomendadas

Santander investigado por fraude fiscal que terá custado cerca de 10 mil milhões de euros à Alemanha

A justiça alemã enviou uma carta ao Santander informando que os espanhóis eram suspeitos de”planear e executar transações” que facilitaram uma “massiva evasão fiscal” entre os anos de 2007 e 2011.

Receitas turísticas sobem 12% até agosto

As receitas turísticas cresceram 12,2% entre janeiro e agosto deste ano, face ao mesmo período de 2017, para mais de 11 mil milhões de euros, de acordo com o Banco de Portugal.

Sete bancos criam consórcio para transformar financiamento comercial

Santander, BNP Paribas, Citi, Deutsche Bank, HSBC, Standard Chartered e ANZ vão desenvolver uma “Trade Information Network”.
Comentários