Síria: Rússia autoriza entrada de inspetores de armas químicas em Douma

A autorização foi dada pela Rússia, que assegura que “não adulterou o local” e que os ataques de retaliação das potências ocidentais tiveram por base “relatos de media e redes sociais”.

Khalil Ashawi/Reuters

Os inspetores internacionais de armas químicas, que se encontram na Síria desde sábado, vão poder entrar esta quarta-feira na cidade síria de Douma, onde no princípio do mês um alegado ataque químico vitimou dezenas de civis. A autorização foi dada pela Rússia, que assegura que “não adulterou o local” e que os ataques de retaliação das potências ocidentais tiveram por base “relatos de media e redes sociais”.

A autorização concedida pelo Governo russo surge 11 dias depois do alegado ataque com armas químicas perpetrado pela Síria. Os técnicos da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) quer recolher amostras de solo para perceber se foram ou não usadas substâncias químicas no ataque. No entanto, os Estados Unidos temem que a Rússia tenha visitado a região previamente e adulterado a investigação. No entanto, o chefe da diplomacia russa rejeita as suspeitas.

Sergei Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros russo, assegura que a Rússia não interferiu nos despojos da região e garante que o ataque químico de que o Ocidente fala se tratou de “uma encenação,  baseada em relatos de media e redes sociais”.

Esta manhã, a televisão estatal síria anunciou uma “nova agressão” militar contra a base aérea Shayrat, na cidade de Homs. O órgão de comunicação estatal não citava a fonte da informação, nem referia qual a autoria do ataque. Os Estados Unidos vieram logo garantir que não há qualquer atividade em curso na região, tendo a televisão síria desmentido o ataque pouco depois. “Tratou-se apenas de falso alarme”, afirmou.

Recomendadas

Tribunal egípcio condena 65 islamitas a prisão perpétua

65 membros do grupo Irmandade Muçulmana foram condenados a prisão perpétua pelos ataques violentos em 2013 no sul do Egito contra instalações públicas.

Procura de petróleo deve subir pelo menos até 2020

OPEP prevê até 2020 uma média anual de 1,6 milhões de barris diários, recuando depois para 0,2 milhões entre 2035 e 2040.

Estados Unidos prometem manter guerra comercial contra a China até vencerem

O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo prometeu que a administração Trump irá manter as políticas comerciais agressivas em relação à China, e está convencido que os americanos vão vencer a guerra.
Comentários