S&P 500 inverte tendência de abertura e fecha no verde na antecâmara de resultados do sector tecnológico

Numa semana que verá gigantes tecnológicos como a Netflix ou a Tesla reportarem os seus resultados do terceiro trimestre, a expectativa quanto a números fortes quanto ao sector empresarial norte-americano acabou por levar a melhor face às preocupações do início da sessão causadas pelos desapontantes dados macro vindos dos EUA e da China.

Wall Street encerrou a sessão de segunda-feira em terreno misto, com o S&P 500 a inverter a tendência de queda na abertura à boleia dos sectores energético e tecnológico, este último na antecâmara das divulgações de resultados trimestrais de alguns dos gigantes do ramo

O Dow Jones fechou a cair 0,13%, descendo até aos 35.250,17 pontos. O S&P 500 fechou 0,34% acima, chegando aos 4.486,50 pontos, enquanto o Nasdaq valorizou 0,84%, subindo até aos 15.021,8 pontos.

A sessão de segunda-feira surge imediatamente antes da divulgação dos resultados do terceiro trimestre da Netflix, a primeira das gigantes tecnológicas a divulgar os números da sua operação no terceiro período do ano. Esta semana verá ainda a Tesla a fazer o mesmo, bem como outros títulos com peso nos índices norte-americanos, como a IBM, Intel, Johnson&Johnson, Procter&Gamble ou United Airlines.

A sessão fechou com as principais ações do sector tecnológico em alta, com destaque para a Tesla, que acelerou 3,23%. Apple, Amazon, Netflix e Facebook também fecharam todas a ganhar acima de 1%.

Assim, os investidores vão colocando as suas apostas em números fortes destas cotadas, impulsionados pelos bons números divulgados pelo sector financeiro na semana anterior e pela expectativa dos mercados de que o lucro combinado dos títulos americanos cresça cerca de 30% em relação ao trimestre anterior, segundo dados da FactSet.

Os fracos números do crescimento do terceiro trimestre na China, juntamente com os dados desapontantes da produção industrial naquela economia e na norte-americana em setembro preocuparam os investidores no início da sessão, dado o sinal que estes valores dão em relação à retoma económica global.

Outro sector que continua a acumular ganhos é o energético, com o mercado a antever uma manutenção da valorização destes títulos à boleia das subidas nos preços do barril de petróleo e uma procura crescente à medida que a economia continua a retomar o seu nível de atividade pré-pandémico.

Recomendadas

OPEP + concorda no aumento da produção de petróleo em janeiro

Por forte pressão principalmente dos Estados Unidos, a OPEP + aceitou fazer qualquer coisa para combater a subida dos preços do petróleo nos mercados mundiais. A decisão demorou, para desespero dos consumidores.

Wall Street com forte recuperação depois de vencer o medo da Omicron

Os sinais, ainda muito longe de estarem consolidados, de que a nova variante da Covid-19 oriunda de África do Sul não será tão grave como o esperado, foi suficiente para libertar os investidores. Um grande dia para os mercados.

PSI-20 cai 5,2% em Novembro. Grupo EDP e Jerónimo Martins lideraram representatividade

A Jerónimo Martins (15,10%), a EDP Renováveis (13,49%) e a EDP (10,42%) foram os emitentes com maior representatividade no índice. Os dados foram divulgados pela CMVM.
Comentários