Wall Street abre em queda em dia de regresso aos ganhos no petróleo

Os três principais índices da praça norte-americana estão a negociar em terreno negativo, num dia marcado pelo regressos aos ganhos na cotação do barril de petróleo, após dez sessões consecutivas de perdas.

A bolsa de Wall Street abriu esta segunda-feira, dia 12 de novembro, em queda. Os três principais índices da praça norte-americana estão a negociar em terreno negativo, num dia marcado pelo regressos aos ganhos na cotação do barril de petróleo, após dez sessões consecutivas de perdas.

O índice industrial Dow Jones, referência para o mercado norte-americano e mundial, abriu a perder 0,11%, para 25.961,16 pontos, o financeiro S&P 500 desvaloriza 0,23%, para 2,775,08 pontos e o tecnológico Nasdaq perde 0,52%, para 7.371,09 pontos.

Esta segunda-feira, é dia dos veteranos de guerra, feriado nos Estados Unidos, em memória de todos aqueles que serviram nas Forças Armadas norte-americanas. Todos os mercados estão abertos, com a exceção do obrigacionista.

No setor petrolífero, o Brent soma 1,70%, para 71,37 dólares por barril, e o crude WTI valoriza 1,48%, para os 61,08 dólares. Os preços da matéria-prima reagiram em alta, depois de o ministro da Energia da Arábia Saudita, Khaled al-Faleh, ter anunciado, no domingo, que a Arábia Saudita vai reduzir a produção de petróleo, o que levará a uma queda nas exportações de 500 mil barris por dia já no próximo mês.

Este movimento ascendente do petróleo está a contrariar a tendência depreciativa das últimas 10 sessões, em que o crude registou de forma interrupta, a maior série negativa desde 1984. Por detrás da queda da cotação do Brent estiveram diversos fatores: os receios em relação a diversos países emergentes como a África do Sul, a Turquia e a Argentina e a introdução de exceções às sanções sobre o Irão, que visam produtos petrolíferos.

No mercado cambial, a divisa norte-americana aprecia-se 0,61% contra o euro para 0,887 dólares e 0,44% contra a libra, para 0,774 dólares.

Ler mais
Relacionadas

Petróleo dispara 2% com anúncio de corte na produção diária da Arábia Saudita

O anúncio veio inverter a maior série negativa na cotação do Brent dos últimos 34 anos. Desde o início de outubro, a matéria-prima acumulou uma desvalorização de 18%.
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários