Wall Street ganha mais de 2% impulsionado por resultados

Banca, tecnologia e saúde foram os setores que mais puxaram pelos principais índices norte-americanos.

Brendan McDermid / Reuters

O Dow Jones subiu 2,17% para 25.798,42 pontos, o Nasdaq escalou 2,89% para 7.645,49 pontos e o S&P500 avançou 2,15% para 2.809,92 pontos. Já o Russell 2000 atingiu a maior sessão de ganhos diária desde 2016.

Assim, os índices bolsistas norte-americanos ganharam força no dia em que empresas como o Goldman Sachs e o Morgan Stanley apresentaram contas positivas. O primeiro encerrou a cotar nos 221,70 dólares, enquanto o segundo fechou nos 45,94 dólares.

No sector tecnológico, a Adobe disparou mais de 9%. Na saúde, a UnitedHealth disparou quase 5% e a Johnson & Johnson avançou mais de 2%. Estes dois grupos lideram os ganhos no S&P 500 desde o início do ano.

Os investidores estão confiantes pelos resultados apresentados pelas cotadas e os nervos parecem ter acalmado, depois das preocupações com as tensões no comércio global e a subida das yields norte-americanas.

“Os lucros corporativos foram o maior suporte. Estamos no início da temporada, mas até agora tudo bem, especialmente hoje”, disse à Reuters Chuck Carlson, diretor executivo da Horizon Investment Services em Hammond, Indiana.

Recomendadas

Wall Street fecha em alta impulsionada pela Alemanha

Os mercados foram impulsionados pela notícia de que a Alemanha prepara estímulos fiscais para evitar uma recessão económica. Wall Street subiu mais de 1%.

EUA: confiança dos consumidores arrefece face a possível recessão económica

Face aos cortes nas taxas de juro da Fed, os consumidores norte-americanos receiam uma possível recessão económica. Previsões dos economistas ficaram aquém dos resultados do relatório da Universidade de Michigan.

Banca surpreendeu investidores e dinamizou praças europeias. BCP foi ‘estrela’ no PSI 20

Na sessão de hoje, manteve-se a suspensão da negociação das ações da Cofina e da Media Capital em virtude das informações que visam o avanço das negociações exclusivas entre a Cofina e a Prisa para a compra da Media Capital.
Comentários