Wall Street ganha mais de 2% impulsionado por resultados

Banca, tecnologia e saúde foram os setores que mais puxaram pelos principais índices norte-americanos.

Brendan McDermid / Reuters

O Dow Jones subiu 2,17% para 25.798,42 pontos, o Nasdaq escalou 2,89% para 7.645,49 pontos e o S&P500 avançou 2,15% para 2.809,92 pontos. Já o Russell 2000 atingiu a maior sessão de ganhos diária desde 2016.

Assim, os índices bolsistas norte-americanos ganharam força no dia em que empresas como o Goldman Sachs e o Morgan Stanley apresentaram contas positivas. O primeiro encerrou a cotar nos 221,70 dólares, enquanto o segundo fechou nos 45,94 dólares.

No sector tecnológico, a Adobe disparou mais de 9%. Na saúde, a UnitedHealth disparou quase 5% e a Johnson & Johnson avançou mais de 2%. Estes dois grupos lideram os ganhos no S&P 500 desde o início do ano.

Os investidores estão confiantes pelos resultados apresentados pelas cotadas e os nervos parecem ter acalmado, depois das preocupações com as tensões no comércio global e a subida das yields norte-americanas.

“Os lucros corporativos foram o maior suporte. Estamos no início da temporada, mas até agora tudo bem, especialmente hoje”, disse à Reuters Chuck Carlson, diretor executivo da Horizon Investment Services em Hammond, Indiana.

Recomendadas

Bolsas da Europa sobem com Brexit. Só Lisboa e Londres fecharam em terreno negativo.

As praças europeias fecharam no verde, no rescaldo do chumbo do Parlamento britânico ao acordo Brexit levado pelo Governo de Theresa May. Só Lisboa e Londres fecharam em queda. mercado nacional terminou em ligeira baixa, apesar dos ganhos registados pela Altri e o BCP.

Trajetória positiva continua e Wall Street abre no ‘verde’

No setor financeiro, destaque para a subida de 3,49% do Goldman Sachs, depois de apresentar resultados acima do esperado. Também o Bank of America avança 5%, ao ter apresentado receitas recorde.

Science4you falha entrada na Bolsa de Lisboa

A entrada na Bolsa de Lisboa tinha sido adiada para 8 de fevereiro, mas a empresa de brinquedos didáticos liderada por Miguel Pina Martins não conseguiu o contrato de liquidez com um intermediário financeiro e acabou por desistir do processo. Após a Sonae MC e a Vista Alegre, é a terceira operação em bolsa cancelada nos últimos três meses.
Comentários