Wall Street ganha mais de 2% impulsionado por resultados

Banca, tecnologia e saúde foram os setores que mais puxaram pelos principais índices norte-americanos.

Brendan McDermid / Reuters

O Dow Jones subiu 2,17% para 25.798,42 pontos, o Nasdaq escalou 2,89% para 7.645,49 pontos e o S&P500 avançou 2,15% para 2.809,92 pontos. Já o Russell 2000 atingiu a maior sessão de ganhos diária desde 2016.

Assim, os índices bolsistas norte-americanos ganharam força no dia em que empresas como o Goldman Sachs e o Morgan Stanley apresentaram contas positivas. O primeiro encerrou a cotar nos 221,70 dólares, enquanto o segundo fechou nos 45,94 dólares.

No sector tecnológico, a Adobe disparou mais de 9%. Na saúde, a UnitedHealth disparou quase 5% e a Johnson & Johnson avançou mais de 2%. Estes dois grupos lideram os ganhos no S&P 500 desde o início do ano.

Os investidores estão confiantes pelos resultados apresentados pelas cotadas e os nervos parecem ter acalmado, depois das preocupações com as tensões no comércio global e a subida das yields norte-americanas.

“Os lucros corporativos foram o maior suporte. Estamos no início da temporada, mas até agora tudo bem, especialmente hoje”, disse à Reuters Chuck Carlson, diretor executivo da Horizon Investment Services em Hammond, Indiana.

Recomendadas

Pharol e Sonae SGPS impulsionam PSI20 na ‘maré verde’ europeia

O principal índice bolsista português encerrou a sessão desta terça-feira a somar 0,32%, para 5.300,51 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres na Europa.

Wall Street negoceia em alta à espera da Fed

Amanhã, quarta-feira, termina a reunião da Fed, que deverá anunciar o rumo da política monetária norte-americana. O mercado não espera alterações relativamente às taxas de juro.

Grão a grão, enche a galinha o papo em Wall Street

Goldman Sachs e Citigroup beneficiaram da notícia que deu conta que ambos os grupos financeiros estão a colaborar na mega fusão entre o Deutsche Bank e o Commerzbank.
Comentários