ADSE ‘chumba’ aumento dos preços das consultas

A proposta do conselho diretivo da ADSE defende aumentos para os beneficiários de 1,51 euros nas consultas de clínica geral e mais 1,01 euros nas de especialidade, a partir de janeiro, para o valor de 5 euros por consulta em ambos os casos.

O Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE recusou esta quarta-feira a possibilidade de o preço das consultas vir a aumentar no próximo ano para os beneficiários do sistema de saúde da administração pública.

Os 17 membros do CGS estiveram reunidos esta tarde a avaliar o novo regulamento dos benefícios da ADSE e a atualização das tabelas e, segundo disse à Agência Lusa o dirigente sindical José Abraão, “tudo indica que não haverá aumento do preço das consultas para os beneficiários” a partir de janeiro de 2018, como previa a proposta do conselho diretivo.

O parecer do CGS sobre este assunto será ainda discutido e aprovado na próxima reunião, agendada para 6 de dezembro, acrescentou.

“Para já, não está em cima da mesa a atualização das tabelas, tal como reivindicava a FESAP (Federação Sindical da Administração Pública), pois sempre dissemos que um aumento das consultas seria inaceitável se não houvesse redução das contribuições para os beneficiários”, sublinhou Abraão.

A proposta do conselho diretivo da ADSE defende aumentos para os beneficiários de 1,51 euros nas consultas de clínica geral e mais 1,01 euros nas de especialidade, a partir de janeiro, para o valor de 5 euros por consulta em ambos os casos.

A proposta estabelece ainda que os encargos suportados pela ADSE com as clínicas privadas possam subir 4,03 euros nas consultas de clínica geral e 0,53 euros nas de especialidade, para 15 euros.

O dirigente sindical, que tem assento no CGS, contou ainda que foi aprovado na reunião de hoje o parecer sobre as alterações ao regime de benefícios e, tal como a Agência Lusa avançou, os membros do conselho defendem uma abertura “por fases” à entrada de novos beneficiários.

“A prioridade será dada aos CIT [contratos individuais de trabalho] e aos ‘arrependidos’, ou seja, a pessoas que saíram do sistema ou a quem não teve oportunidade de se inscrever”, explicou José Abraão.

O dirigente sindical sublinhou que o parecer é “genérico”, ficando agora o CGS a aguardar por uma nova proposta do conselho diretivo da ADSE para perceber como e quando será feito o alargamento a novos beneficiários.

“Tem de haver mais estudos sobre a sustentabilidade do sistema”, acrescentou José Abraão.

Segundo adiantou, “provavelmente serão cerca de 80 mil” os CIT que poderão aderir à ADSE, nomeadamente os trabalhadores dos hospitais EPE.

O alargamento da ADSE aos cônjuges dos funcionários públicos deverá assim ficar para uma fase posterior.

Ler mais
Recomendadas

Saúde: reclamações dos utentes aumentam 72% até setembro

Mau atendimento, tempos de espera, falta de informações e falta de condições são os principais motivos das queixas apresentadas pelos portugueses nos primeiros nove meses deste ano.

Sindicatos médicos contestam critério de redução de listas de utentes

Os sindicatos médicos consideram a proposta de Orçamento do Estado “meramente eleitoralista” e contestam que a redução da lista de utentes por médico de família fique dependente de 99% dos portugueses terem médico atribuído.

Administradores Hospitalares saúdam reforço na saúde e novo modelo de financiamento

A Associação dos Administradores Hospitalares saudou esta terça-feira o reforço do orçamento para a saúde e considerou “bastante positivo” o novo modelo de financiamento que está previsto para 11 hospitais públicos.
Comentários