António Ramalho modera ‘frente a frente’ entre CIP e UGT na quinta-feira

Fórum Capitalizar, promovido pelo Jornal Económico e pelo Novo Banco, no dia 17 de janeiro, vai juntar empresários, sindicalistas e banqueiros.

O Jornal Económico e o Novo Banco vão promover, no próximo dia 17 de janeiro, a primeira edição do Fórum Capitalizar. Em debate neste evento, que junta à mesma mesa empresários, dirigentes sindicais e banqueiros, estarão os diferentes mecanismos de capitalização das empresas, que são fundamentais para as suas estratégias de inovação, crescimento e internacionalização.

O Fórum terá lugar durante a manhã do dia 17, no auditório do Museu do Oriente, em Lisboa.

Com início às 09h00, a sessão de abertura caberá ao CEO do Novo Banco, António Ramalho, como keynote speaker.

Às 9h30, segue-se um frente a frente entre o líder dos patrões e o secretário-geral de uma das grandes confederações sindicais. Esta conversa entre António Saraiva e Carlos Silva, presidente da CIP e líder da UGT, respetivamente, será moderada por António Ramalho, tendo como tema “o investimento como fator de sustentabilidade”.

Após o coffee-break, terá lugar um debate sobre “o investimento como fator de crescimento”, que contará com as participações de Vítor Fernandes, administrador do Novo Banco, José Theotónio, CEO do Grupo Pestana, Jaime Andrez, presidente do programa COMPETE 2020, Avelino Gaspar, presidente da Lusiaves, e Kim Kreilgaard, chefe da representação em Portugal do Banco Europeu de Investimento (BEI). Este debate, que se estenderá até às 12h15, será moderado por Filipe Alves, diretor do Jornal Económico.

Para conhecer o programa completo desta e de outras conferências promovidas pelo Jornal Económico em parceria com diversas entidades, sobre temas relevantes da atualidade, visite a página das nossas conferências.

Ler mais
Recomendadas

Novo programa do BCE de financiamento (TLTRO III) é benéfico para banca europeia, diz DBRS

A DBRS espera que os bancos em Itália e Espanha e, em menor escala, em Portugal, utilizem esta fonte de financiamento nos próximos dois anos para substituir o seu financiamento TLTRO II e prolongar a maturidade do seu financiamento junto do BCE.

Pedro Neves não vê “nexo causal” entre financiamento da CGD aos acionistas do BCP e ida de dois administradores para o banco privado

“O Banco de Portugal teve sempre uma posição de independência em relação às partes envolvidas na guerra do BCP”, disse Pedro Duarte Neves. “Mas a CGD estava a financiar um dos lados [do conflito]?”, confrontou um deputado. A isto Pedro Neves respondeu: “o crédito veio da CGD, mas podia ter vindo de outro banco”. O ex-vice-Governador disse que não houve violação da norma de concentração de risco a uma única entidade.

Berardo “incrédulo com falta de memória” de Constâncio

Este comentário surge depois de o ex-governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, que esteve a ser ouvido pela segunda vez no Parlamento sobre a recapitalização da CGD, ter negado que se tenha reunido sozinho com o empresário madeirense.
Comentários