China cancela negociações comerciais e não vai deslocar-se até Washington

Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg. O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação.

Guerra Comercial EUA-China

A China cancelou as negociações comerciais que se encontram em discussão com os EUA e é pouco provável que volte a entrar em conversações com Washington até depois das eleições. Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg.

O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação. Além das novas tarifas de 170 mil milhões de euros em bens chineses que devem entrar em vigor a 24 de setembro, as sanções do Departamento de Estado dos EUA contra a agência de defesa da China e o seu diretor contribuíram para a decisão final de cancelar as negociações, referiram fontes próximas do processo.

“Seria como se estivéssemos a pedir para ser insultados caso a China fosse para a frente com negociações comerciais depois dos EUA terem anunciado as novas tarifas e sanções”, afirmou Shi Yinhong, professor de relações internacionais na universidade Renmin da China, sublinhando que “a longo prazo, haverá conversações, porque a guerra comercial não durará milhares de anos.”

As novas tarifas trouxeram “novas incertezas” para a relação entre a China e os EUA. A administração Trump, referiu que precisa “confrontar a China sobre as suas práticas comerciais para defender os interesses a longo prazo dos EUA, mesmo que os riscos de um maior aumento estejam a criar problemas aos consumidores americanos.

Recomendadas

Movimento dos ‘coletes amarelos’ continua a diminuir com desorganização em Paris

O movimento dos “coletes amarelos” continua a perder fôlego, contando este sábado com cerca de 12.500 manifestantes em toda a França, segundo o Ministério do Interior, e 2.100 manifestantes em Paris, em pequenos desfiles dispersos pela capital.

Comissão política do ADI expulsa presidente eleito hoje em congresso em São Tomé

A comissão política do partido Ação Democrática Independente (ADI), na oposição em São Tomé e Príncipe, decidiu expulsar 14 militantes, incluindo Agostinho Fernandes, hoje eleito presidente do partido, por aclamação, num congresso que aquele órgão não reconhece.

Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.
Comentários