China cancela negociações comerciais e não vai deslocar-se até Washington

Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg. O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação.

A China cancelou as negociações comerciais que se encontram em discussão com os EUA e é pouco provável que volte a entrar em conversações com Washington até depois das eleições. Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg.

O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação. Além das novas tarifas de 170 mil milhões de euros em bens chineses que devem entrar em vigor a 24 de setembro, as sanções do Departamento de Estado dos EUA contra a agência de defesa da China e o seu diretor contribuíram para a decisão final de cancelar as negociações, referiram fontes próximas do processo.

“Seria como se estivéssemos a pedir para ser insultados caso a China fosse para a frente com negociações comerciais depois dos EUA terem anunciado as novas tarifas e sanções”, afirmou Shi Yinhong, professor de relações internacionais na universidade Renmin da China, sublinhando que “a longo prazo, haverá conversações, porque a guerra comercial não durará milhares de anos.”

As novas tarifas trouxeram “novas incertezas” para a relação entre a China e os EUA. A administração Trump, referiu que precisa “confrontar a China sobre as suas práticas comerciais para defender os interesses a longo prazo dos EUA, mesmo que os riscos de um maior aumento estejam a criar problemas aos consumidores americanos.

Recomendadas

Condutores em Angola contratam motoristas para fugir a multas por álcool

As inúmeras operações de combate à condução sob efeito de álcool, realizadas no último ano pela polícia angolana, abriu as portas a um novo negócio, que consiste em contratar um motorista para conduzir o carro apenas no perímetro controlado.

Inflação na China cresce 2,5% em setembro

A subida foi impulsionada pela evolução de 3,6% no preço médio dos alimentos, sobretudo vegetais (aumento de 14,6%) e das frutas frescas (aumento de 10,2%).

Brexit: acordo permanece impossível por causa da Irlanda

Tal como previam todos os analistas desde 2016, a questão das fronteiras entre as Irlandas é a mais difícil de ser ultrapassada. Theresa May falou esta noite com Emmanuel Macron na tentativa desesperada de encontrar apoios,
Comentários