China cancela negociações comerciais e não vai deslocar-se até Washington

Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg. O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação.

A China cancelou as negociações comerciais que se encontram em discussão com os EUA e é pouco provável que volte a entrar em conversações com Washington até depois das eleições. Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg.

O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação. Além das novas tarifas de 170 mil milhões de euros em bens chineses que devem entrar em vigor a 24 de setembro, as sanções do Departamento de Estado dos EUA contra a agência de defesa da China e o seu diretor contribuíram para a decisão final de cancelar as negociações, referiram fontes próximas do processo.

“Seria como se estivéssemos a pedir para ser insultados caso a China fosse para a frente com negociações comerciais depois dos EUA terem anunciado as novas tarifas e sanções”, afirmou Shi Yinhong, professor de relações internacionais na universidade Renmin da China, sublinhando que “a longo prazo, haverá conversações, porque a guerra comercial não durará milhares de anos.”

As novas tarifas trouxeram “novas incertezas” para a relação entre a China e os EUA. A administração Trump, referiu que precisa “confrontar a China sobre as suas práticas comerciais para defender os interesses a longo prazo dos EUA, mesmo que os riscos de um maior aumento estejam a criar problemas aos consumidores americanos.

Recomendadas

Acordo sobre novas regras de aplicação do Acordo de Paris é “equilibrado”, diz a Comissão Europeia

O ‘livro de regras’ (sobre o Acordo de Paris) é fundamental para tornar possível a ação em prol do clima e todos os níveis no mundo e o sucesso aqui também significa sucesso para o multilateralismo e a ordem global”, afirmou, Miguel Arrias Cañete

Michel Houellebecq: o mais recente defensor europeu de Donald Trump

O escritor francês, célebre pelos seus livros provocatórios, diz na revista norte-americana ‘Harper’s’ que “Donald Trump é um dos melhores presidentes” de sempre.

Marine Le Pen ganharia hoje a primeira volta das eleições presidenciais francesas

Segundo os resultados do inquérito do semanário francês, se os candidatos de há vinte meses fossem os mesmos, 27% dos inquiridos votariam na Frente Nacional, partido de Marine Le Pen.
Comentários