Generali quer Tranquilidade, Apollo mais longe da GNB Vida

A arquitetura do setor segurador português está a mudar. O grupo da Tranquilidade está agora mais longe da GNB Vida e poderá mesmo ser vendido.

Há uma reviravolta a passar-se no setor segurador. A Apollo, que se apresentou a concurso para a compra da seguradora GNB Vida do Novo Banco, está agora mais afastada do processo de venda, soube o Jornal Económico. Em alternativa poderá ser vendida. Há várias companhias de seguros a olharem para a Tranquilidade, com vista a uma aquisição, sabe o Jornal Económico.

No processo de venda da GNB Vida, apesar de ainda não ter sido escolhida uma short-list de entre os seis candidatos que apresentaram propostas, há três mais empenhados e em conversações mais intensas com o Novo Banco. E a Apollo, a gestora de fundos  dona da Tranquilidade e da Açoreana, não está entre eles.

A Generali que entretanto também pôs à venda a seguradora em Portugal, mas entretanto, por ausência de propostas satisfatórias desistiu do processo, passa a compradora.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

 

Recomendadas

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.

BCE analisa auditoria do BCP sobre contratação de ex-assessor de Pinho, mas idoneidade de Paulo Macedo não está em avaliação

A idoneidade de Paulo Macedo enquanto presidente da CGD não está a ser avaliada. O que está a ser estudado é se o caso da contratação de João Conceição tem motivos para abrir um processo de Fit & Proper.
Comentários