“Infantilidade pouco patriótica”. Cavaco Silva não poupa críticas à demissão de Paulo Portas

No capítulo “A Demissão Irrevogável de um Ministro”, Cavaco Silva recorda o episódio da demissão do antigo líder do CDS-PP enquanto ministro do Governo de Pedro Passos Coelho. “Absolutamente inaceitável”, critica o antigo Presidente da República.

Aníbal Cavaco Silva não se coibiu em comentar, no segundo volume de “Quinta-Feira e Outros dias” com o subtítulo “Da Coligação à “Geringonça”, um dos momentos mais marcantes da governação de Pedro Passos Coelho, a designada “demissão irrevogável” de Paulo Portas.

No capítulo 14, com o título “A Demissão Irrevogável de um Ministro”, Cavaco Silva recorda o episódio da demissão do antigo líder do CDS-PP enquanto ministro do Governo de Pedro Passos Coelho, uma vez que ” estava incomodado com a escolha de Maria Luís Albuquerque para Ministra das Finanças, porque ela iria ser a continuação da política de Vítor Gaspar”.

Para Cavaco Silva, a “decisão de Paulo Portas era completo absurdo. Fazer um comunicado anunciando a demissão em cima da posse da nova Ministra das Finanças, que teria lugar uma hora depois, parecia-me uma infantilidade pouco patriótica. Visava, propositadamente, destruir a credibilidade da nova titular da pasta, quer no plano interno, quer no plano externo. Absolutamente inaceitável!”, critica Cavaco Silva.

Relacionadas

“Entendimentos com o PCP e BE seriam impossíveis”. Cavaco Silva revela desabafo de António Costa

Além de revelações sobre a formação do atual Governo PS, Cavaco Silva não poupa críticas à demissão de Paulo Portas acusando-o de ter uma atitude que revelou “uma infantilidade pouco patriótica.

Cavaco Silva diz ter servido de “intermediário” entre Sócrates e Passos Coelho em 2011

No prefácio do livro autobiográfico de Eduardo Catroga, afirma que este recusou ser ministro de Nobre da Costa e Santana Lopes, e só à segunda aceitou o seu convite para as Finanças.

Cavaco sai de cerimónia de inauguração de ‘campus’ da Nova antes de Marcelo discursar

Menos de dez minutos depois da entrada do chefe de Estado, Cavaco Silva deixou o local e, à saída, questionado pelos jornalistas se iria sair sem ouvir Marcelo Rebelo de Sousa, justificou: “Vou para uma festa familiar a que não posso faltar”.
Recomendadas

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Bloco de Esquerda quer acordo escrito com o PS para dar mais clareza às propostas

“Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões ou baixar o número de alunos por turma ou ter mais manuais gratuitos”, afirma a coordenadora do BE, Catarina Martins, numa entrevista conjunta ao jornal “Público” e à “Rádio Renascença”.

“Este orçamento aposta nas eleições”, critica Rui Rio

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido.
Comentários