Lucília Gago defende que PGR não é “uma figura messiânica”

Na sessão de tomada de posse da nova Procuradora-Geral da Repúblcia (PGR), Lucília Gago recusou a ideia de que o titular do cargo é responsável por todos os sucessos e insucessos da estrutura que agora vai dirigir, “como de se uma figura messiânica se tratasse”. A nova PGR salientou que o mérito é de “todos os órgãos e agentes do MP cuja prestação tecnicamente irrepreensível, concertada e leal é essencial”.

A nova PGR tomou posse esta sexta-feira, no Palácio de Belém, numa cerimónia onde a sucessora de Joana Marques Vidal, Lucília Gago, salientou que o cargo de PGR não é “uma figura messiânica” e que qualquer sucesso sucesso é mérito de “todos os órgãos e agentes do MP cuja prestação tecnicamente irrepreensível, concertada e leal é essencial”.

No seu discurso de tomada de posse, Lucília Gago, prometeu cumprir as tarefas que estão atribuídas à figura de PGR. “A que escrupulosamente me empenharei a corresponder”, afirmou. E elegeu o combate à criminalidade económico-financeira como uma “das grandes prioridades”.

“Elejo como uma das grandes prioridades do meu mandato – o combate à criminalidade económico-financeira, com particular enfoque para a corrupção, que se tornou um dos maiores flagelos suscetíveis de abalar os alicerces do Estado e corroer a confiança dos cidadãos no regime democrático”, disse Lucília Gago no discurso de tomada de posse, no Palácio de Belém.

A nova PGR mencionou ainda a reforma do estatuto do Ministério Público, que está em apreciação na Assembleia da República, afirmando que este “poderá constituir um aporte no esforço de racionalização dos meios humanos, na especialização e na valorização do mérito. Vetores potenciadores de um melhor desempenho funcional”.

Antes, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pediu que seja dada prioridade ao combate à corrupção e que esse combate seja feito “sem medos, hesitações ou ambiguidades”. O Presidente da República deixou ainda recados para o pode executivo, sobretudo no que diz respeito à necessidade de dotar o Ministério Público de meios suficientes que permitam responder à tarefa.

Joana Marques Vidal, a anterior titular do cargo de PGR, esteve presente na cerimónia, à qual chegou acompanhada por Lucília Gago.

 

 

Ler mais
Relacionadas

”A nossa Constituição prevê a renovação do mandato”, recorda Joana Marques Vidal

Joana Marques Vidal termina o seu mandato como Procuradora-Geral esta sexta feira, 12 de outubro. Em entrevista à SIC, que será hoje emitida, a ex-PGR afirma que a renovação do mandato está prevista na Constituição.

PGR: Joana Marques Vidal favorável a audição pública no Parlamento de nome indicado para Procurador-geral

Joana Marques Vidal, que termina o mandato de seis anos na sexta-feira, sendo substituída no cargo por Lucília Gago, falava sobre “O Futuro da Justiça em Portugal”, em conferência realizada pelo Grémio Literário de Lisboa.
Recomendadas

Presidente da Câmara de Castelo Branco notificado da perda de mandato

O advogado Artur Marques disse estar “verdadeiramente em choque com a decisão” do tribunal, que, no seu entender, “tem uma conceção verdadeiramente errada dos pressupostos da perda de mandato, por dois motivos”.

Michel Platini detido em França por suspeitas de corrupção relacionada com escolha do Mundial de 2022

O antigo presidente da UEFA é suspeito de ter favorecido a candidatura do Qatar para organizar o Mundial 2022.

Lava Jato: Juíz do Supremo brasileiro pede prisão de alegados hackers

O juiz do Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF) Alexandre de Moraes pediu na segunda-feira a prisão dos ‘hackers’ que, no seu entender, invadiram telemóveis de magistrados e procuradres envolvidos na Operação Lava Jato, avança a imprensa local brasileira
Comentários