Moody’s alerta que taxa anti dumping dos EUA será negativa para a Navigator

No entanto, a agência de notação financeira garante esta sexta-feira que a revisão da tarifa não deverá compromete o ‘rating’ Ba2 (estável) da papeleira.

A agência de notação financeira Moody’s considera que a taxa anti dumping dos Estados Unidos (EUA) é negativa para a Navigator, mas não vai ser suficiente para baixar o rating da empresa da pasta e papel do atual ‘Ba2’ (estável).

Martin Fujerik, vice-presidente e analista Sénior da Moody’s, explica que a tarifa “pode levar a cash outflows relacionadas com um imposto extra pago pelas vendas anteriores da empresa nos EUA”. Para o especialista da agência norte-americana, a taxa “também afetará a rentabilidade das importações”.

“Embora seja difícil estimar o impacto financeiro exato dos negócios da Navigator no futuro, considerando o seu forte posicionamento na categoria ‘Ba2’, não esperamos que isso leve a uma decisão de rating negativa”, assegura o porta-voz da Moody’s, em comunicado.

No mês passado, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos notificou a Navigator de que reviu o imposto final sobre as suas vendas para o mercado norte-americano – entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017 – de 0% para 37,34%, o que levou a papeleira liderada por Diogo da Silveira a recorrer da decisão.

A Navigator estima que a revisão do imposto terá um impacto de 66 milhões de euros no EBITDA deste ano 2018, à taxa de câmbio atual. Até à conclusão do recurso da medida, a taxa anti dumping será aplicada retroativamente.

As ações da papeleira nacional estão a cair 0,14%, para 4,2640 euros.

Ler mais
Recomendadas

Itália prestes a conhecer veredito final de Bruxelas sobre Orçamento

Bruxelas irá publicar a sua avaliação aos orçamentos de todos os Estados-membros e a economia italiana concentra as atenções europeias, depois da Comissão Europeia ter tomado, a 23 de outubro, a decisão inédita de rejeitar o OE2019 proposto pelo governo italiano.

UE alcança acordo para escrutinar o investimento de países terceiros

Este acordo acontece dois meses depois de o Parlamento Europeu ter manifestado preocupação com os investimentos chineses na UE, que podem “pôr em causa os interesses estratégicos”, defendendo a partilha de dados entre os Estados-membros e com as instituições comunitárias.

Borba: resgatado corpo de uma das duas vítimas

Corpo já recuperado é de um dos dois operários da empresa que explora a pedreira.
Comentários