O que esperar da maior feira de tecnologia do mundo?

A CES 2019 terá carros autónomos, robôs, televisões mais poderosas, assistentes de voz e casas inteligentes.

A funcionar desde 1967, a feira de Las Vegas já foi palco para a apresentação de muitas tecnologias que mudaram o mundo (o gravador de videocassetes e o formato DVD são exemplos).

Ontem, em Las Vegas, começou mais uma edição: estão presentes na cidade norte-americana cerca de 4.500 empresas de todo o mundo a mostrar como a Internet permite ter cada vez mais aparelhos tecnológicos a comunicar entre si.

No evento, não faltarão os carros autónomos, as televisões mais poderosas, os assistentes de voz e as casas inteligentes. Os robôs também estarão presentes em grande escala. Alguns têm como principal função fazer companhia a humanos ou apoiar pessoas com necessidades educativas especiais.

A Consumer Technology Association (CTA), associação que organiza o evento, anunciou as principais tendências que devem ser vistas por quase 200 mil participantes neste ano. A CTA espera que o mercado de tecnologia cresça para um novo recorde, com uma faturação de 398 mil milhões de dólares (cerca de 350 mil milhões de euros ao câmbio atual).

É ainda esperado um crescimento moderado em segmentos que já foram campeões da tecnologia, como os ‘smartphones’, na ordem dos 2%.

Segundo a CTA, os aparelhos para casas inteligentes terão um crescimento de 17%, ao passo que os ‘smartwatches’ se fixarão na casa dos 19%.

Já os ‘smart speakers’ (colunas de som inteligentes), como os aparelhos da Google e Amazon, devem crescer 7%.

O destaque do motor de busca Google deve ir para a sua assistente artificial, a Google Assistant. Estará a competir com a assistente rival Alexa, da Amazon, que este ano apresenta em Las Vegas uma nova assistente de voz só para automóveis.

Ler mais
Recomendadas

Fintechs com “misto de sensações” sobre acesso a contas bancárias

Os novos operadores da área financeira consideram que os bancos devem ir além das obrigações da diretiva dos pagamentos.

PremiumFundação AIP diz que instalações para a Web Summit implicam custo de 90 milhões

Jorge Rocha de Matos defende a urgente negociação de uma solução provisória para o alargamento da FIL no Parque das Nações, de forma a responder às necessidades do Web Summit. Para o presidente da Fundação AIP, só será possível construir o projeto de expansão definitivo da FIL durante um período dilatado de 10 anos. Será um investimento, faseado, de 150 milhões de euros, incomportável se for concentrado em três anos.

PremiumCimeira de investidores voltou a Lisboa mas startups querem Silicon Valley

Nuno Fonseca, CEO da Sound Particles, criou a empresa em Leiria, mas, neste momento, 60% dos clientes são da Califórnia. O empresário português considera que as startups devem abrir horizontes e olhar para o “mercado global”.
Comentários