ONU pede opções claras no desembarque de migrantes

O grupo de 58 migrantes resgatados pelo navio Aquarius desembarcou em Malta e será distribuído por vários países. A ONU apelou a que os países europeus acelerem esforço no sentido de criarem um sistema sustentado para desembarque de migrantes e refugiados.

A Organização das Nações Unidas (ONU) apelou a que existam opções claras no desembarque de migrantes, resgatados no Mediterrâneo.

O grupo de 58 migrantes que foi resgatado na mais recente operação do navio Aquarius desembarcou hoje no porto de La Valeta, em Malta, depois de ter esperado quase uma semana ao largo daquela pequena ilha mediterrânica.

Este grupo de pessoas será distribuído posteriormente por vários países europeus, incluindo Portugal, que vai acolher dez destes 58 migrantes. Os restantes serão distribuídos por Espanha (15), Alemanha (15) e França (18).

“Estamos agradecidos a Malta por permitir o desembarque das 58 pessoas resgatadas pelo navio Aquarius, terminando o seu sofrimento depois de dias no mar, bem como a Espanha, França, Alemanha e Portugal por se terem oferecido a recebê-los”, afirmou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), num comunicado.

A agência da ONU lembrou, no entanto, a atual situação do Aquarius, que deixou de ter recentemente o pavilhão do Panamá por decisão das autoridades locais.

Fretado pelas organizações não-governamentais (ONG) SOS Mediterranée e Médicos Sem Fronteiras, o Aquarius é o único navio de resgate civil atualmente a operar no Mediterrâneo central, considerada a rota migratória mais letal do mundo.

O navio deixará de navegar se nenhum país aceitar atribuir-lhe um pavilhão.

Segundo o ACNUR, esta situação revela a precariedade dos sistemas criados para tentar salvar a vida de milhares de migrantes e refugiados que todos os meses tentam atravessar o Mediterrâneo, principalmente desde o norte de África em direção a Itália e Espanha, para os quais não existem procedimentos oficiais.

Como tal, a agência da ONU defende a criação de um esquema sustentado e previsível para o desembarque de migrantes e refugiados, pedindo aos Estados europeus para “acelerarem esforços nesse sentido”.

“A perda do registo do Aquarius é extremamente preocupante e representaria uma dramática redução na capacidade de busca e de salvamento, precisamente no momento em que ela é mais necessária”, afirmou o Alto Comissário da ONU para os Refugiados, Federico Grandi, citado no mesmo comunicado.

Federico Grandi pediu a todos que o resgate de embarcações que estão à deriva e o desembarque dos respetivos passageiros em lugares seguros “seja agora uma prioridade para todos”.

E acrescentou que as ONG devem continuar a ajudar nesta prioridade.

Nos primeiros nove meses de 2017, cinco ONG estavam ativas em operações de busca e salvamento no Mediterrâneo e conseguiram salvar nesse período 46.000 vidas, de acordo com os dados da guarda costeira italiana.

Nos 31 meses que opera na rota do Mediterrâneo central (utilizada pelos fluxosmigratórios provenientes do norte de África e do Médio Oriente, com passagem pela Líbia e com destino a Itália e Malta), o navio Aquarius salvou cerca de 30 mil pessoas em 230 operações de salvamento.

Ler mais
Recomendadas

Brasil vai abandonar acordo de imigração das Nações Unidas

O acordo, que aborda questões como proteger os migrantes, integrá-los e enviá-los para casa, tem sido criticado por políticos europeus de direita que dizem que isso pode aumentar a imigração. “O governo Bolsonaro se desassociará do Pacto Global pela Migração”, anunciou o Ministro dos Negócios Estrangeiros, no Twitter.

Conselho Europeu subscreve orçamento da União Europeia para 2019

As verbas previstas no orçamento da UE terão como foco o crescimento económico e a criação de emprego, estando previsto um reforço da contribuição europeia no que toca aos jovens e à migração.

Mike Pompeo crítica Governo russo por enviar “bombardeiros do outro lado do mundo” para a Venezuela

O secretário de Estado dos Estados Unidos deixou uma mensagem na sua conta de Twitter referindo-se aos Governos dos dois países como “corruptos que gastam os recursos públicos e esmagam a liberdade enquanto os seus povos sofrem”.
Comentários