PAN: Nelson Batista substitui André Silva no Parlamento

Nelson Batista já tinha substituído André Silva durante a licença de paternidade e é o número três por Lisboa. Vai substituir o atual porta-voz do PAN no Parlamento depois do congresso do partido, que terá lugar em junho.

“O PAN não vai ser muleta, pin ou flor na lapela.”

Nelson Batista irá ocupar o lugar deixado vago por André Silva no Parlamento a partir de junho. O porta-vos do PAN anunciou este domingo a saída da vida política e partidária depois do Congresso do partido, data em que o seu sucessor na vida parlamentar assumirá o posto.

O programador informático Nelson Batista já tinha substituído André Silva durante a sua licença de paternidade e é o número três por Lisboa. Tem 35 anos e frequentou a licenciatura em Estudos Europeus e o curso de programação de software. Conta no curriculum com o papel de deputado municipal do PAN na Assembleia Municipal de Odivelas, tendo passado pela Comissão Política Nacional do PAN, Comissão Política da Distrital de Lisboa do PAN e Comissão Política da Concelhia de Odivelas do PAN.

André Silva anunciou que vai deixar a liderança do partido em junho, abandonando também o lugar na Assembleia da República e a vida política. O porta-voz do partido justifica a decisão com querer alcançar um maior equilíbrio entre a vida pessoal e profissional e  “apanhar o comboio da paternidade”, a que acresce a convicção de que “as pessoas não devem eternizar-se nos cargos”.

Numa publicação no Faceebok, André Silva partilhou a carta que enviou este domingo à tarde tarde aos militantes do PAN sobre a decisão de saída da vida política partidária e parlamentar, a partir do próximo congresso, marcado para os dias 5 e 6 de junho, anunciando que decidiu não se recandidatar e irá renunciar também ao mandato de deputado à Assembleia da República.

“Abdiquei de muito a nível pessoal para me dedicar à missão de afirmar e fazer crescer o partido, relegando todos os outros aspectos da minha vida. Chegou a hora de mudar. Tendo sido pai há 5 meses, considero que devo apanhar o comboio da paternidade para materializar valores que considero essenciais nas esferas privada e pública. Além de pretender equilibrar a minha vida pessoal e familiar com a vida profissional, carrego a forte convicção de que numa democracia saudável as pessoas não devem eternizar-se nos cargos, devendo dar oportunidade a outras”, afirmou André Silva, recordando que defende a limitação dos mandatos políticos.

André Silva deixa liderança do PAN e Parlamento em junho

Relacionadas

André Silva deixa liderança do PAN e Parlamento em junho

Porta-voz do PAN decidiu abandonar as funções partidárias e a vida política depois do Congresso do partido, que terá lugar em junho. André Silva diz querer “apanhar o comboio da paternidade” e defende que “as pessoas não devem eternizar-se nos cargos, devendo dar oportunidade a outras”.
Recomendadas

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Em vez do cartão amarelo ao Governo, podemos ter cartão vermelho ao líder da oposição”

“Mais importante do que bazucas, metralhadoras, helicópteros ou outro tipo de arsenal, há mais pessoas a acreditar numa vitória do PS do que num triunfo do PSD. Nestas eleições faz-se sentir muitas vezes o cartão amarelo ao Governo mas o que parece é que se está a preparar um cartão vermelho ao líder da oposição”, realçou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE.

Bruno Horta Soares: “Moedas é um nome forte mas com esta campanha e se não fosse a IL, votaria em branco”

Consciente de que tem de ultrapassar o apelo ao voto útil, Bruno Horta Soares realçou ainda, na última edição do programa “Primeira Pessoa”, da plataforma multimédia JE TV, que já ninguém acredita que Carlos Moedas possa derrotar Fernando Medina.
Comentários