Quem serão os vice-presidentes de Rui Rio? Os nomes que circulam nos bastidores

Isabel Meirelles, especialista em assuntos europeus, deverá ser a maior surpresa. David Justino, Manuel Castro Almeida e Salvador Malheiro parecem ter lugar assegurado na Comissão Política Nacional. Persistem as dúvidas em torno de Nuno Morais Sarmento e poderá surgir outra surpresa: a eurodeputada Maria da Graça Carvalho.

Cristina Bernardo

A composição da nova Comissão Política Nacional (CPN) do PSD, sob a presidência de Rui Rio, vai ser conhecida nas próximas horas. A especulação em torno dos nomes escolhidos intensificou-se ao longo da tarde e há informações contraditórias, mas David Justino, Manuel Castro Almeida e Salvador Malheiro parecem ter lugar assegurado na CPN, como vice-presidentes. Outro nome dado como certo é o de Isabel Meirelles, antiga candidata à presidência da Câmara Municipal de Oeiras (em 2009), especialista em assuntos europeus e apoiante de Rio na recente disputa pela liderança do PSD.

No entanto, persistem as dúvidas em torno de outros nomes como Nuno Morais Sarmento, mandatário nacional da candidatura de Rio. Há quem o aponte como um dos vice-presidentes escolhidos, mas não é um dado adquirido. Por outro lado, a TSF avança que Maria da Graça Carvalho, ex-ministra da Ciência e do Ensino Superior e atual eurodeputada, vai integrar a CPN como vice-presidente. Ao que acresce o nome de Álvaro Amaro, na qualidade de presidente dos Autarcas Sociais-Democratas (ASD). Quanto ao cargo de secretário-geral, tal como o Jornal Económico noticiou ontem, Feliciano Barreiras Duarte vai suceder a José Matos Rosa.

Recomendadas

“Troika deixou marcas no mercado de trabalho”, realça Secretário de Estado do Emprego

Num discurso onde traçou o cenário do emprego em Portugal nos últimos três anos, com ênfase para a queda da taxa de desemprego e aumento do emprego criado, Miguel Cabrita chamou ao Governo parte dos louros.

CDS vai pedir uma comissão de inquérito ao ‘caso Tancos’

Proposta dos centristas surge depois da Polícia Judiciária ter detido hoje militares da Polícia Judiciária Militar e da Guarda Nacional Republicana e um outro suspeito no âmbito do caso do roubo de Tancos.

“Ele deu uma facada e rodou. Para matar, mesmo”. Bolsonaro fala pela primeira vez depois do ataque

”Ele deu uma facada e rodou. Para matar mesmo. O cara sabia o que estava fazendo. Por milímetros não atingiu veias que eu não teria como resistir”, revelou o candidato sobre o ataque de foi alvo.
Comentários