Vai investir? Não cometa nenhum destes seis erros comuns

Os portugueses não poupam e regra, geral têm alguma aversão ao risco. Poupar é importante mas investir o seu capital também. Claro que há riscos, mas se adoptar uma estratégia de longo prazo e se mantiver calmo em períodos difíceis, pode alcançar retornos financeiros para viver uma reforma com tranquilidade.

Hoje é o dia mundial da poupança e, dada a fraca taxa de poupança dos portugueses, este artigo foi pensado para o ajudar a gerir melhor o seu capital. A primeira coisa a reter é que “grão a grão, enche a galinha o papo”, como, refere o banco BIG, fazendo jus à sabedoria popular. A gestão do seu capital pode passar não só pela poupança, como também na aplicação do mesmo para obter retornos no futuro.

Saiba quais as seis regras que não deve perder de vista na hora de investir:

1. Alocar o seu dinheiro num único ativo

Na hora de investir, é importante diversificar os seus investimentos para não depender apenas de um único ativo. Assim, se não corresponder à performance esperada, continuará obter retornos de outras aplicações. Poderá, por exemplo, investir no imobiliário, em ações de empresas ou, simplesmente, colocar o seu dinheiro numa conta-poupança. O importante aqui é ter uma aplicação do seu capital diversificada.

2. Pensar que investir é o mesmo que ir ao casino

Ninguém quer colocar o seu capital em risco, mas todos nós queremos aplicar o nosso capital em ativos que dêem retorno. Ora isso acarreta investir em ativos que acarretam algum risco. No entanto, investir não significa estar a jogar na roleta ou numa lotaria. Qualquer investimento obriga a uma estratégia bem pensada, normalmente com vista para o longo prazo, e com um risco financeiro com o qual se sente confortável.

3. Pensar que não consegue gerir o seu capital

Não precisa de ser um guru da gestão nem o Warren Buffet para gerir bem o seu capital. Ter calma e bom senso são ingredientes que o vão ajudar a cuidar bem do seu dinheiro. E, se achar necessário, poderá aprender por sua conta a perceber bem em que tipo de portefólio deverá apostar para satisfazer as suas necessidades financeiras. Em alternativa, pode sempre contratar um especialista na matéria, mas nunca confie exclusivamente nele. Não se esqueça que o dinheiro é seu e, no final do dia, a decisão é sua. Por isso, é importante manter-se calmo para ponderar bem as suas alternativas.

4. Deixar o seu dinheiro parado

A melhor forma de ver o volume do seu capital estagnar consiste em deixá-lo parado. Neste sentido, colocar o seu dinheiro numa conta à ordem ou escondê-lo debaixo do colchão é mesma coisa. Opte antes por aplicar o seu dinheiro, seja em contas-poupança, em depósitos a prazo, ou em investimentos que lhe garantam maior retorno. Lembre-se que o fundamental é não deixar o seu dinheiro parado porque isso é a garantia de que no futuro não terá mais riqueza do que tem hoje.

5. Pensar que o futuro será igual ao passado

A mente do ser humano prega-nos algumas armadilhas e a buscar de padrões, ainda que de forma inconsciente, é uma delas. O que aconteceu no passado não vai acontecer necessariamente no futuro. Adaptando este conselho para o mundo dos investimentos, é fundamental perceber que as ações de uma empresa não terão sempre a mesma performance ao longo do tempo e, não é por terem subido nos trinta dias consecutivamente que vão necessariamente subir hoje. Em de ver um padrão, procure perceber por que razão é que tal aconteceu. Há sempre fatores que explicam as cotações das ações, por exemplo, a sazonalidade, o lançamento de um produto antecipado pelo mercado por parte de uma empresa ou outras variáveis.

6. Não delinear um plano de poupança

Finalmente, o último erro consiste em não poupar. Poupe de forma consistente até que se torne num hábito. O importante não é poupar uma grande fatia do seu rendimento; a palavra-chave aqui é consistência. Mesmo que deixe de parte, todos os meses, uma parte do seu salário, lembre-se que no futuro poderá ter uma almofada para fazer face a despesas que não antecipou ou até conseguir viver uma reforma mais tranquila. Habitue-se a deixar de lado, todos os meses, algum dinheiro de lado.

Ler mais
Relacionadas

Mais de metade dos portugueses poupa habitualmente, novo estudo revela

No Dia Mundial da Poupança, o Observador Cetelem Literacia Financeira questionou os portugueses sobre quais os seus hábitos de poupança. Quase metade dos inquiridos afirmou ter por hábito fazer poupanças.

Salários, literacia e trauma. O trio que afasta os portugueses da poupança e investimento

No Dia Mundial da Poupança, intervenientes do mercado de capitais explicam ao Jornal Económico as razões que levam os portugueses a poupar pouco e a investir ainda menos.

Poupança: “Em Portugal ainda não existe uma verdadeira cultura para a poupança ativa”, defende Nelson Machado

Em geral, os portugueses continuam a sentir-se insuficientemente informados sobre a reforma e começam a poupar para esta fase da sua vida por volta dos 28 anos.

Dia Mundial da Poupança: seis razões para investir na sua educação financeira

O BiG – Banco de Investimento Global explica porque é que investir nesta matéria pode ser determinante para aumentar a independência financeira dos portugueses, que continuam a reconhecer baixos níveis de literacia.
Recomendadas

Combustíveis. Preço da gasolina desce e gasóleo fica inalterado

A gasolina desce e o gasóleo fica inalterado nos postos de combustível nacionais na próxima semana, depois dos fortes recuos que tiveram lugar esta semana.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

Em causa está um benefício que é atribuído de forma automática pela Autoridade Tributária e Aduaneira aos proprietários de imóveis de valor patrimonial inferior a 66.500 euros e com agregados familiares cujo rendimento bruto anual não exceda 2,3 indexantes de apoios sociais, ou seja, 15.295 euros (475 euros x 14 meses x 2,3 IAS).

Sabe o que é o atestado médico de incapacidade multiuso?

Informamos sobre este documento e sobre como requerê-lo.
Comentários