Agricultores entre as novas profissões de residente não habitual a pagar menos IRS

Agricultores e profissões das ciências e engenharia, de nível intermédio, passam a integrar a lista de profissões que dão acesso ao regime fiscal do residente não habitual (RNH) e será revista daqui a três anos, segundo diploma publicado hoje.

A nova tabela de profissões, publicada hoje em Diário da República, deixa de incluir os arquitetos, designers ou geólogos e acrescenta-lhe várias atividades que não estavam contempladas inicialmente, quando este regime fiscal, que permite que os rendimentos de trabalho paguem uma taxa de IRS de 20%, foi criado, em 2009.

A lista de atividades do RNH passa, assim, a contemplar agricultores e trabalhadores qualificados da agricultura e produção orientados para o mercado, operadores e instalação e máquinas de trabalhadores de montagem ou técnicos e profissões das ciências e engenharia, de nível intermédio, entre outras.

“A situação económica de Portugal sofreu uma relevante mutação desde a publicação da referida tabela de atividades, existindo uma transformação significativa das dinâmicas de criação de emprego. De facto, entidades empregadoras de vários setores têm revelado dificuldades na contratação de trabalhadores com perfis de competências e qualificações diversificados, pelo que, neste contexto, importa reforçar os fatores de atratividade de trabalhadores que queiram vir para Portugal”, detalha o preâmbulo do diploma.

A nova lista foi elaborada na sequência do trabalho desenvolvido em conjunto com os ministérios das Finanças, da Economia e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, e será revista no prazo de três anos “em função da avaliação da evolução da situação económica do país”.

O diploma especifica ainda que, ao contrário do modelo anterior, em que a tabela de atividades de elevado valor acrescentado era baseada em códigos de atividades económicas (CAE), agora se adota um modelo assente, com correspondência direta, em códigos da Classificação Portuguesa de Profissões (CPP).

“Esta alteração permite, por um lado, o esclarecimento mais imediato de dúvidas interpretativas relativamente ao âmbito e alcance de cada uma das atividades constantes da tabela, uma vez que para cada código de profissão é detalhado um descritivo de funções que considera exemplos de profissões incluídas e excluídas e, por outro, assegurar uma melhor precisão na comparabilidade estatística, a nível europeu e internacional, nos diversos domínios em que é aplicada esta classificação”, refere a portaria.

As novas regras entram em vigor na quarta-feira produzindo efeitos em 01 de janeiro de 2020, inclusive, ressalvando-se, porém, algumas situações, nomeadamente os casos das pessoas que naquela data já se encontrem inscritas como RNH, cujo pedido de inscrição se encontre pendente naquela data ou que a solicitem até 31 de março de 2020 com efeitos ao ano de 2019.

Em meados de março deste ano, o número de registos no RNH ascendia já a 29.901.

No final de 2017, quando o número total de RNH era de 27.367, os dados disponíveis indicavam rendimentos de atividades de elevado valor acrescentado em 2.205 residentes.

Ler mais

Recomendadas

Sassoli apela ao Eurogrupo: “Precisamos de encontrar formas novas e comuns de financiamento”

Em vésperas de nova ronda de negociações dos ministros das Finanças europeus, o Presidente do Parlamento Europeu defendeu que o Eurogrupo “tem de estar à altura do desafio” e que “o colapso de um país teria, inevitavelmente, consequências dramáticas para todos os outros”.

Covid-19: Coface prevê maior número de insolvências de empresas desde 2009

A empresa especilizada na gestão de crédito prevê ainda recessões em 68 países (contra apenas 11 no ano passado), uma queda do comércio mundial de 4,3% este ano (após uma queda de -0,4% em 2019), e um aumento de 25% das insolvências de empresas a nível mundial (em comparação com a nossa previsão de Janeiro passado, que era de +2%).

Pandemia: 34% dos portugueses receiam colapso da Segurança Social e 20% temem perder o emprego

Se há uma semana 81% dos portugueses inquiridos apresentava elevada preocupação face à crise atual, hoje, são 90%. E 18% dos portugueses ativos antes da epidemia afirmam já ter perdido, mesmo que temporariamente, o seu emprego.
Comentários