Arábia Saudita vai desenvolver energia solar e carbono negro

O objetivo deste projeto passa pelo desenvolvimento de energia solar e carbono negro em parceria com a China e a Coreia do Sul. Construção está avaliada em 1,7 mil milhões de euros.

A Arábia Saudita pretende construir um complexo para o desenvolvimento de energia solar e carbono negro em parceria com a China e a Coreia do Sul, revelou uma autoridade saudita à agência “Reuters” esta segunda-feira.

A construção deste projeto está avaliado em 1,7 mil milhões de euros, sendo que um estudo para perceber a viabilidade deste complexo solar e de carbono será concluído ainda este ano.

A informação foi dada por Tariq Baksh, vice-presidente de programa de produtos químicos e renováveis do Programa Nacional de Clusters Industriais da Arábia Saudita, à margem de uma conferência realizada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

O carbono negro é uma mistura antropogénica de sulfato, cinzas, material orgânico, poeiras, nitrato e aerossóis naturais. Este tipo de carbono é um dos principais constituintes das partículas emitidas pela combustão incompleta de combustíveis fósseis, biomassa e biocombustíveis.

As suas principais fontes são o transporte rodoviário (principalmente a gasóleo), máquinas móveis não rodoviárias, como por exemplo as máquinas florestais, transporte marítimo, aquecimento doméstico (em lareiras) e queima de biomassa a céu aberto, como os incêndios florestais e a queima de resíduos agrícolas.

Recomendadas

É oficial: o café está em risco

Alterações climáticas que se têm sentido nos últimos anos estão a afetar a produção de café.

Inquilinos esperam promulgação de alterações à lei das rendas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) disse hoje à Lusa que espera que as alterações à legislação das rendas sejam promulgadas pelo Presidente da República, defendendo que estas podem ser “globalmente positivas”, mas também comportam aspetos negativos.

Reforma da supervisão financeira anunciada há quase dois anos continua por fazer

A reforma da supervisão financeira faz parte do programa do Governo, de finais de 2015, e logo em 2016 o ministro das Finanças, Mário Centeno, falou da necessidade de lançar uma “reflexão profunda” sobre a supervisão, para que “funcione melhor”, tendo em conta que “a experiência recente do sistema financeiro [português] é dececionante”.
Comentários