Arábia Saudita vai desenvolver energia solar e carbono negro

O objetivo deste projeto passa pelo desenvolvimento de energia solar e carbono negro em parceria com a China e a Coreia do Sul. Construção está avaliada em 1,7 mil milhões de euros.

A Arábia Saudita pretende construir um complexo para o desenvolvimento de energia solar e carbono negro em parceria com a China e a Coreia do Sul, revelou uma autoridade saudita à agência “Reuters” esta segunda-feira.

A construção deste projeto está avaliado em 1,7 mil milhões de euros, sendo que um estudo para perceber a viabilidade deste complexo solar e de carbono será concluído ainda este ano.

A informação foi dada por Tariq Baksh, vice-presidente de programa de produtos químicos e renováveis do Programa Nacional de Clusters Industriais da Arábia Saudita, à margem de uma conferência realizada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

O carbono negro é uma mistura antropogénica de sulfato, cinzas, material orgânico, poeiras, nitrato e aerossóis naturais. Este tipo de carbono é um dos principais constituintes das partículas emitidas pela combustão incompleta de combustíveis fósseis, biomassa e biocombustíveis.

As suas principais fontes são o transporte rodoviário (principalmente a gasóleo), máquinas móveis não rodoviárias, como por exemplo as máquinas florestais, transporte marítimo, aquecimento doméstico (em lareiras) e queima de biomassa a céu aberto, como os incêndios florestais e a queima de resíduos agrícolas.

Recomendadas

Lisboa é a vencedora da Semana Europeia da Mobilidade 2018

O prémio chega a Lisboa pelas mãos do vereador da Mobilidade, Miguel Gaspar. Lisboa estava na corrida ao prémio desde o dia 26 de fevereiro deste ano.

António Ramalho: resolução do BES “não foi preparada totalmente”

“É uma resolução que tem o seu quê de premonitório e não foi preparada totalmente, não é uma decisão continuada”, considerou António Ramalho na Comissão de Orçamento e Finanças (COFMA), lembrando que foi uma decisão tomada no contexto de uma “potencial extraordinária corrida aos depósitos”.

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

O Conselho de Administração da ASF, em reunião realizada hoje, deliberou “determinar o procedimento com vista ao registo das pessoas que dirigem efetivamente, fiscalizam ou são responsáveis por funções-chave das associações mutualistas abrangidas pelo regime transitório”, lê-se na informação divulgada, dando assim seguimento à determinação do Governo, que clarificou o Código das Mutualistas.
Comentários