BCE: De Guindos tem caminho aberto para suceder a Vítor Constâncio

Na sequência do parecer do Conselho do BCE e da posição do Parlamento Europeu, o novo vice-presidente da instituição será nomeado pelo Conselho Europeu.

Ler mais

O Banco Central Europeu disse hoje que não coloca objeções à escolha de Luis De Guindos para a vice-presidência da instituição, classificando-o como um reconhecido profissional.

“O concelho do Banco Central Europeu adotou hoje um parecer sobre a recomendação do concelho da União Europeia para a nomeação do vice-presidente do BCE. O conselho não teve qualquer objeção ao candidato proposto, Luis de Guindos, que é uma pessoa com reconhecida experiência profissional sobre questões monetárias e bancárias”, refere a instituição financeira, em comunicado.

Na sequência do parecer do Conselho do BCE e da posição do Parlamento Europeu, o novo vice-presidente da instituição será nomeado pelo Conselho Europeu.

“O parecer do Conselho do BCE será disponibilizado na página oficial em todas as línguas da União Europeia”, esclareceu o Banco Central Europeu.

O ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, conhecido como um tecnocrata independente, mas próximo do Partido Popular, substitui a partir de 01 de junho próximo o português Vítor Constâncio como vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE).

A nomeação, pelo fórum dos ministros das finanças da Zona Euro (Eurogrupo) de De Guindos para substituir o português Vítor Constâncio na vice-presidência do BCE, foi aprovada na Comissão de Assuntos Económicos e Monetários (Econ) por 27 votos a favor, 14 contra e 13 abstenções.

Recomendadas

Municípios querem baixar IVA das refeições escolares e da iluminação pública

O agravamento das taxas daquele imposto sobre as refeições escolares e sobre a iluminação pública “foi introduzido no período da crise”, como medida “temporária”, mas que “tem perdurado há demasiado tempo” e onera “os cofres municipais”, salientou a Associação Nacional de Municípios Portugueses.

Défice orçamental cai para 576 milhões de euros até agosto

Melhoria do saldo global é explicada pelo ministério das Finanças por um crescimento da receita superior ao aumento da despesa.

Chelsea FC está à venda: Abramovich quer 3,3 mil milhões de euros

Clube londrino pode mudar de mãos e já há um preço definido: quinze vezes mais do que foi investido pelo magnata russo há 15 anos.
Comentários