CFP: cativações caíram 46% no ano passado, para 510 milhões de euros

Dados do Conselho de Finanças Públicas apontam que a retenção de dotações de despesa tenha ficado em linha com o previsto no Orçamento do Estado 2017 e próximo dos valores de 2015 e 2014.

Cristina Bernardo
Ler mais

As cativações orçamentais diminuíram 45,8% no ano passado, face a 2016, para 510 milhões de euros. A retenção de dotações para despesas dos serviços e organismos da administração central para controlar o défice orçamental ficou em linha com o previsto no Orçamento do Estado 2017 e próximo dos valores cativados em 2015 e 2014, de acordo com o Conselho de Finanças Públicas (CFP).

“No ano de 2017, terão sido descativados 1.370 mihões de euros, tendo os cativos finais ascendido a 510 milhões de euros. Este valor corresponde a 27,1% do total de cativos iniciais, sendo em termos relativos o mais baixo dos últimos anos: no último triénio os cativos finais ascenderam a metade dos cativos iniciais, em média”, explicou o relatório da instituição liderada por Teodora Cardoso, publicado esta terça-feira.

“Em termos absolutos, os cativos finais em 2017 ficaram em linha com os valores registados nos anos de 2014 (566 milhões de euros) e 2015 (522 milhões de euros), mas bastante abaixo dos 941 milhões de euros registados no ano anterior”, acrescenta.

A maioria dos cativos finais (235 milhões de euros) incidiu sobre a despesa com a aquisição de bens e serviços. Por outro lado, a poupança na rubrica outras despesas correntes (onde se inclui a reserva orçamental) foi de 150 milhões de euros.

A reserva orçamental – um subconjunto dos cativos totais que corresponde a uma percentagem do orçamento de cada serviço, inserida no agrupamento outras despesas correntes – correspondeu a uma cativação de 2,5% de cada programa da administração central para 2017 e ascendeu a um total de 433,6 milhões de euros.

O CFP pediu esclarecimentos do ministério das Finanças sobre a reserva orçamental líquida de cativos, que ascendeu a 6,5 milhões e, em termos de contabilidade pública, foi imputada na rubrica ‘outras despesas correntes’ e, em contas nacionais, foram considerados na rubrica de consumo intermédio.

“Contudo, no conjunto do ano, a reserva orçamental teve uma utilização de 278 milhões de euros, tendo ficado 272 milhões de euros acima da despesa inicialmente prevista para efeitos da conta das AP para 2017. A reserva orçamental foi maioritariamente utilizada para reforço do orçamento do Instituto de Gestão Financeira da Educação: 113 milhões de euros, destinados aos Estabelecimentos de Educação e Ensino Básico e Secundário)”, acrescentou.

Relacionadas

CDS-PP acusa Centeno de fazer cativações encapotadas na Saúde

O CDS considera que o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, está «manietado» e que «não é verdadeiramente o ministro da Saúde».

OE2017: Ministro das Finanças diz que cativações ficaram nos 560 milhões no ano passado

“Os cativos, no final de 2017, ficaram em 560 milhões de euros. São dados que são preliminares, mas que são muito inferiores a 2016 e inferiores a vários anos do período recente”, afirmou Centeno na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, onde está a ser ouvido.
Recomendadas

Taxistas reagem com irritação a reunião com o PSD

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, afirmou aos presentes na Praça dos Restauradores, em Lisboa, que “foi irritante” a forma como foram recebidos pelo PSD na Assembleia da República.

Armador PCI implementa nova rota comercial em Cabo Verde

Ler mais O Grupo Sousa, através do seu armador PCI – Portusline Containers International SA, implementará, já a partir do início do próximo mês de Outubro, uma nova rota comercial com Cabo Verde, denominada “Alver”. A PCI operará um navio com capacidade de transporte de 887 Teus nominais, com uma frequência de 14 dias, realizando […]

Constitucional não dá razão a Governo em norma sobre horários no concurso de professores

No acórdão, hoje publicado, o TC decidiu “não tomar conhecimento do pedido” e alega que dar razão ao Governo, numa altura em que já se concluiu a colocação dos professores, traria “consequências graves na organização do ano letivo”.
Comentários