Crise inédita coloca Sporting a um passo do colapso

Sem apoio dos notáveis, Bruno de Carvalho tornou-se tóxico para o clube. SAD afunda na bolsa, ativos em risco, patrocinadores repensam apoios.

Susana Vera/Reuters

O Sporting Clube de Portugal atravessa uma crise profunda, com a própria sobrevivência do clube  em risco. Ao longo do dia de ontem, multiplicaram-se as críticas à direção liderada por Bruno de Carvalho, não só por causa das agressões em Alcochete, que abriram uma crise inédita que poderá levar à saída de todo o plantel, mas também devido ao escândalo de alegada corrupção desportiva que envolve o diretor do futebol do Sporting, André Geraldes.

À hora de fecho da edição, aguardava-se uma comunicação do conselho diretivo do Sporting, na qual, segundo apurou o Jornal Económico, Bruno de Carvalho iria recusar a demissão. Embora a demissão em bloco de grande parte dos órgãos sociais do clube e da retirada de apoio de ‘pesos pesados’ como Álvaro Sobrinho e José Maria Ricciardi abalem a liderança de Bruno de Carvalho.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

 

Relacionadas

Demissão afastada, apesar de coro de críticas

Presidente do Sporting não se demite, após segundo maior acionista retirar apoio a direção. E apelos de Ricciardi, sócio do clube, e Eduardo barroso, apoiante de Bruno de Carvalho.

Grupovarius vai retirar patrocínio ao Sporting

“A comissão executiva do Sporting Clube de Portugal deveria ter-se demitido, elevando assim os superiores interesses do clube e dos sócios”, pode ler-se no comunicado da empresa que apoia o judo dos ‘leões’.

Jorge Jesus desconfia do envolvimento de Bruno de Carvalho nas agressões em Alcochete

Jorge Jesus pondera revelar o que sabe e entregar provas às autoridade caso não consiga um acordo de rescisão de contrato com a atual direção do clube, até quarta-feira.
Recomendadas

OE2017: Carga fiscal atinge 34,4% do PIB no ano passado

Segundo dados atualizados do INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,1% em 2016 para 34,4% em 2017, igualando assim o valor registado apenas em 2015, último ano do Governo liderado por Pedro Passos Coelho.

Energias renováveis: Portugueses entre os que mais consomem energia ‘limpa’ na União Europeia

Portugal conquistou a medalha de bronze no pódio, sendo o terceiro país na União Europeia que maior percentagem das suas necessidades energéticas são satisfeitas com energias renováveis.

“Isenção, imparcialidade e rigor”: o que espera Assunção Cristas da nova PGR

Cristas lembrou que desde 2010 que o CDS defende que “deve haver um maior escrutínio nestas escolhas, nomeadamente, através de audições públicas a realizar no parlamento”.
Comentários