Neemias Queta: nasceu no Barreiro e pode ser o primeiro português a jogar na NBA

Com 19 anos e 2,11 metros de altura, o poste atua nos Utah State, no campeonato universitário do basquetebol norte-americano.

Neemias Esdras Barbosa Queta, de 19 anos poderá tornar-se no primeiro jogador português a ingressar na liga norte-americana de basquetebol (NBA).

O poste de 2,11 metros de altura joga nos Utah State no campeonato universitário de basquetebol norte-americano. ganhou uma bolsa de estudo na universidade norte-americana, com a ajuda da Next Level Sports Portugal, empresa que faz a mediação com o desporto universitário americano.

Em setembro de 2018 mudou-se para Utah com uma bolsa de estudos completa e divide o dia-a-dia entre as aulas do curso, os treinos e os jogos. O basquetebolista português está a dar nas vistas e já são várias as notícias sobre possíveis escolhas no draft (evento anual no qual as trinta equipas da NBA podem recrutar jogadores), com os Cleveland Cavaliers e os New York Knicks, como eventuais hipóteses.

No passado dia 6 de fevereiro, Neemias Queta, fez um duplo-duplo (18 pontos e 15 ressaltos), sendo decisivo na vitória dos Utah State por 82-81, sobre Fresno State. O português fez ainda quatro desarmes de lançamento, o que o colocaram como o novo recordista dos Utah State nesta categoria, com 60 ‘abafos’ esta temporada.

Neemias Queta começou a dar nas vistas nas camadas jovens do FC Barreirense, mas uma chamada à seleção de sub-18, levou a uma transferência para o Benfica. O jovem é considerado um dos mais promissores basquetebolistas da sua geração.

Recomendadas

Barcelona de Messi troca Audi por Cupra e negoceia patrocínio focado na mobilidade

FC Barcelona e a Seat Cupra finalizam acordo de patrocínio fora dos trâmites tradicionais. Fontes, citadas pela imprensa espanhola, relata que está a ser estudado um projeto focado na mobilidade entre a fabricante espanhola e o clube catalão.

Premium“Oferta audiovisual dos clubes não colide com direitos de transmissão”

Clubes portugueses têm estratégias de media para obter mais influência, mais consumo e receitas. Plano não deve colidir com os direitos de imagem. Centralização é inevitável, diz especialista.
Comentários