Supertufão obriga a ativar plano de evacuação e a cancelar quase 150 voos em Macau

A aproximação do supertufão Mangkhut obrigou ao cancelamento de voos e à ativação do plano de evacuação das zonas baixas de Macau, depois de ter sido emitido o aviso vermelho relativo a inundações.

A lista dos voos cancelados até domingo foi publicada este sábado na página da Internet do Aeroporto Internacional de Macau e o aviso vermelho de ‘storm surge’ (maré de tempestade) foi emitido pelas 21h00 (14h00 em Lisboa).

Segundo a agência Lusa, as autoridades informaram que as inundações representam uma grande ameaça para Macau e podem afetar diretamente pelo menos mais de duas mil pessoas, estando prevista uma subida das águas entre 1,5 e 2,5 metros na zona do Porto Interior, na parte oeste da península.

Pouco antes, em comunicado, o Instituto de Ação Social de Macau deu a conhecer que comunicou a “33 associações sociais para prestarem apoio a cerca de 500 pessoas com necessidades especiais, a fim de garantir a sua deslocação para locais seguros, de acordo com o plano de evacuação em situações de ‘storm surge’”.

O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, deu também nota de que o Centro Hospitalar Conde de São Januário preparou 300 médicos e enfermeiros para a passagem do supertufão.

Alexis Tam indicou ainda que, dependendo do impacto em Macau do Mangkhut, os Serviços de Educação e Juventude admitem a possibilidade de serem suspensas as aulas após a passagem do supertufão.

Este sábado, o diretor dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG), Raymond Tam, sublinhou que “eram esperadas inundações entre as 12h00 e o fim da tarde de domingo”. “O supertufão Mangkhut estará mais próximo de Macau pelas 12h00 de domingo e na altura será içado o sinal 10”, o máximo na escala de tempestades tropicais, composta pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10, esclareceu.

Aquele responsável acrescentou ainda esperar, tendo em conta as previsões, “inundações mais prolongadas relativamente ao tufão passado”, numa referência ao Hato, cuja passagem por Macau, em 23 de agosto de 2017, causou uma subida das águas de 5,85 metros em alguns pontos da cidade.

A tempestade deixou 29% da área total da cidade inundada, originando cortes no fornecimento de água e de eletricidade. Com a ativação do plano de evacuação das zonas baixas de Macau, o Instituto de Ação Social vai abrir os 16 centros de acolhimento com capacidade para 24 mil pessoas e disponibilizar veículos para efetuar o transporte de residentes de quatro pontos de encontro para os abrigos, indicou Ma Io Kun, comandante-geral dos Serviços de Polícia Unitários, uma das nove corporações e serviços de segurança que integram a estrutura da proteção civil do território, composta também por 13 serviços públicos e nove organismos privados.

As autoridades esclareceram hoje que o sinal 8 de tempestade tropical, cuja emissão está prevista para o período da madrugada, entre as 02h00 e as 05h00, implica o encerramento de parques de estacionamento, das pontes entre a península de Macau e a Taipa, dos transportes públicos do território e das ligações marítimas.

De acordo com Raymond Tam, o sinal 10 poderá permanecer içado entre as 12h00 e as 18h00 deste domingo, tendo em conta as últimas estimativas. Espera-se que o nível de maré atinja aproximadamente os cinco metros, indicou.

Durante a passagem do tufão Hato, considerado o pior em mais de 50 anos, dez pessoas morreram, mais de 240 ficaram feridas e os prejuízos em habitações, veículos, estabelecimentos comerciais, equipamentos e instalações municipais e também o impacto no volume de negócios das empresas foram avaliados em 1,3 mil milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

Associação sindical dos juízes estima 90% de adesão à greve

“Estimamos que o número total, quando se fizer o apuramento final, rondará os 2.000, que corresponde a cerca de 90% de todos os juízes”, afirmou.

Bruxelas atribui prémio a projeto português de descarbonização

O projeto, ‘Living Lab Matosinhos’, que decorrerá por mais dois anos, pressupõe um investimento de um milhão de euros e envolve 18 parceiros, desde empresas e centros de conhecimento a operadores de mobilidade e associações locais.

Trabalhadores da CP, EMEF e IP fazem greve a 7 de dezembro

“Decidimos fazer esta greve no mesmo dia nas três empresas porque o Governo continua a não dar resposta a uma reivindicação comum que é a de negociar melhores condições para estes trabalhadores”, disse à agência Lusa José Manuel Oliveira, coordenador da Federação dos Sindicatos dos Transportes e comunicações (FECTRANS).
Comentários