Comissão liquidatária do BES admite ficar com dinheiro de ex-gestores

A possibilidade surge depois de os liquidatários do BES terem pedido ao Novo Banco acesso aos extratos de contas nos dois anos anteriores à intervenção bancária para apurar se foram praticados atos prejudiciais para os restantes credores.

BES Av Liberdade Lisboa

A comissão liquidatária do antigo Banco Espírito Santo (BES) admite poder vir a integrar dinheiro de ex-gestores e familiares na massa insolvente. A possibilidade surge depois de os liquidatários do BES terem pedido ao Novo Banco acesso aos extratos de contas nos dois anos anteriores à intervenção bancária para apurar se foram praticados atos prejudiciais para os restantes credores, avança o “Jornal de Negócios”.

As informações que constam no Tribunal do Comércio de Lisboa dão conta de que a comissão liquidatária do BES que “avaliar se tais pessoas procederam a atos de dissipação ou ocultação do seu património ou se, de outro modo, praticaram atos que possam ter diminuído, frustrado, dificultado, posto em perigo ou retardado a satisfação dos credores do BES”.

Caso isso venha a se venha a verificar, a comissão liquidatária deve apoderar-se dos bens dos visados por terem lesado os restantes credores. O período definido envolve ex-administradores, como Ricardo Salgado e ex-colegas da administração, como José Maria Ricciardi, Vítor Bento e João Moreira Rato. Em causa estão ainda “pessoas especialmente relacionadas”, como cônjuges, filhos e pais.

Relacionadas

Apenas nove bancos em Portugal não cobram manutenção de conta

A isenção de cobrança de comissões bancárias de manutenção de contas é especialmente relevante no negócio online, segundo revelam os dados do novo comparador de comissões bancárias do Banco de Portugal.

Montepio e BPI isentam de comissões as ações do BES e Banif

Os acionistas do BES e Banif (ambos em liquidação) continuam a pagar aos bancos comissões de custódia de títulos, sendo o BPI a excepção. Mas o Montepio prepara-se para lhe seguir o exemplo.
Recomendadas

Teixeira dos Santos: “Não tenho razões para me arrepender” da escolha de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara

O Estado “nunca interferiu em qualquer operação” da Caixa Geral de Depósitos, garantiu ainda o ex-ministro das Finanças, na última comissão parlamentar de inquérito aos atos de gestão e recapitalização do banco público, que se realizou esta quarta-feira.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.

BCP vai integrar o seu banco de crédito hipotecário

A operação de integração do BII no BCP é para ser feita até ao fim do ano.
Comentários