Comissão liquidatária do BES admite ficar com dinheiro de ex-gestores

A possibilidade surge depois de os liquidatários do BES terem pedido ao Novo Banco acesso aos extratos de contas nos dois anos anteriores à intervenção bancária para apurar se foram praticados atos prejudiciais para os restantes credores.

BES Av Liberdade Lisboa

A comissão liquidatária do antigo Banco Espírito Santo (BES) admite poder vir a integrar dinheiro de ex-gestores e familiares na massa insolvente. A possibilidade surge depois de os liquidatários do BES terem pedido ao Novo Banco acesso aos extratos de contas nos dois anos anteriores à intervenção bancária para apurar se foram praticados atos prejudiciais para os restantes credores, avança o “Jornal de Negócios”.

As informações que constam no Tribunal do Comércio de Lisboa dão conta de que a comissão liquidatária do BES que “avaliar se tais pessoas procederam a atos de dissipação ou ocultação do seu património ou se, de outro modo, praticaram atos que possam ter diminuído, frustrado, dificultado, posto em perigo ou retardado a satisfação dos credores do BES”.

Caso isso venha a se venha a verificar, a comissão liquidatária deve apoderar-se dos bens dos visados por terem lesado os restantes credores. O período definido envolve ex-administradores, como Ricardo Salgado e ex-colegas da administração, como José Maria Ricciardi, Vítor Bento e João Moreira Rato. Em causa estão ainda “pessoas especialmente relacionadas”, como cônjuges, filhos e pais.

Relacionadas

Apenas nove bancos em Portugal não cobram manutenção de conta

A isenção de cobrança de comissões bancárias de manutenção de contas é especialmente relevante no negócio online, segundo revelam os dados do novo comparador de comissões bancárias do Banco de Portugal.

Montepio e BPI isentam de comissões as ações do BES e Banif

Os acionistas do BES e Banif (ambos em liquidação) continuam a pagar aos bancos comissões de custódia de títulos, sendo o BPI a excepção. Mas o Montepio prepara-se para lhe seguir o exemplo.
Recomendadas

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.

BNI Europa estabelece parceria com empresa alemã para concretizar a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco.

Natixis registou resultado líquido de 1,6 mil milhões de euros em 2018

A Natixis alcançou 12,0% de RoTE (Return on tangible equity) subjacente (13,9% ajustado) face a 12,3% em 2017, anuncia o banco francês. O RoE (return-on-equity, rendimento sobre o capital) subjacente dos negócios atingiu 13,7% (15,1% ajustado), face a 13,8% em 2017.
Comentários