Endividamento da economia nacional bate recorde: 727 mil milhões de euros

Há quatro meses consecutivos que o endividamento da economia portuguesa aumenta. Apesar do setor privado representar a maior fatia no endividamento, verificou-se um crescimento do endividamento do setor público.

O endividamento da economia portuguesa, no mês de abril de 2019, situou-se em 727 mil milhões de euros, aumentando 2,6 mil milhões de euros em comparação com março do mesmo ano, segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal, esta quarta-feira, 26 de junho.

Este valor renovou um máximo histórico, cujo último valor mais elevado tinha sido registado em abril de 2018, precisamente há um ano, com 725,5 mil milhões de euros.

A dívida do setor público atingiu 326,1 mil milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 2,8 mil milhões de euros, comparativamente com o mês de março, quando atingiu 323,3 mil milhões de euros.

Já o setor privado verificou um endividamento de 400,9 mil milhões de euros no mês de abril, relevando assim uma redução na ordem dos 0,2 mil milhões de euros. No mês anterior, o endividamento do setor privado não financeiro tinha-se situado em 401,1 mil milhões de euros.

No setor privado, observou-se uma redução do endividamento das empresas face ao setor financeiro, tendo sido compensada pelo acréscimo do endividamento externo das empresas.

“A subida do endividamento do setor público refletiu-se, sobretudo, no aumento do endividamento face ao setor não residente, ao setor financeiro e às próprias administrações públicas”, admitiu a entidade liderada por Carlos Costa.

No mês de março, registou-se um endividamento da economia nacional, aumentando o mesmo para 724,4 mil milhões de euros. O agravamento de 1,4 mil milhões de euros deveu-se ao peso do setor público.

Ler mais
Relacionadas

Financiamento das administrações públicas diminuiu 100 milhões de euros até abril

A maior fatia de financiamento derivou principalmente da emissão de títulos. Administrações públicas financiaram-se no exterior e junto de residentes (sem incluir a banca) em 4,3 mil milhões de euros e 0,7 mil milhões de euros, respetivamente.
Recomendadas

Novo Banco faz fusão por incorporação com BES das Ilhas Caimão

Contactada pela Lusa, fonte oficial do Novo Banco confirmou a informação, explicitando que se trata de uma fusão por incorporação.

BCP ficou com 10,9% na Inapa que quer vender no mercado

O BCP ficou diretamente (sem contar com a participação do Fundo de Pensões) com 10,88% da Inapa que quer vender no mercado paulatinamente, para não perturbar a bolsa.

Contribuições para o Fundo de Resolução? Miguel Maya diz que solução não deve “endossar esta responsabilidade aos contribuintes”

O CEO do Millennium bcp, Miguel Maya, fez três pedidos à classe política portuguesa: estabilidade para o setor financeiro, previsibilidade para reforçar a confiança no investimento e regulação equitativa para todos os que operam no sistema financeiro português, independentemente do país de origem ou de serem bancos ou FinTech.
Comentários