Tomás Correia continua a defender que devia ser criado um grande banco da economia social

“As instituições da economia social deviam organizar-se para desenvolver uma grande instituição financeira nacional”, defendeu o presidente da Associação Mutualista Montepio Geral.

Durante o almoço-debate organizado pelo International Club of Portugal, em Lisboa, o presidente da Associação Mutualista, que era o orador principal, apresentou como fragilidade do país o facto de, desde 2010, a percentagem de bancos com capital de origem nacional ter caído de 86% para 36% em 2017.

“A posição portuguesa no conjunto do sistema bancário reduziu-se 50 pontos percentuais”.

Neste cenário “salvam-se” os dois bancos do setor social e cooperativo, Caixa Económica Montepio Geral e Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Por isso, Tomás Correia voltou a defender que a banca de retalho (por contraposição à banca de investimento onde os acionistas estrangeiros são uma mais-valia) deve ser dominada por capital nacional. Daqui até à ideia que os dois bancos da economia social se deviam juntar para criar um grande banco de retalho em Portugal foi um passo. “As instituições da economia social deviam organizar-se para desenvolver uma grande instituição financeira nacional”, defendeu. Questionado sobre se estava a retomar a ideia, já recusada por  Licínio Pina, presidente do grupo Crédito Agrícola, de criar uma holding da economia social que tivesse a CEMG e a CCCAM, disse que “há vários caminhos para levar a cabo um determinado projecto”.

“O conjunto das instituições da economia social que operam no setor financeiro têm todas as condições para vir a ser um grande banco de retalho em Portugal”, defendeu o presidente da dona do Montepio que acredita que isso acontecerá mais cedo ou mais tarde.

Tomás Correia apresentou um gráfico de barras em que mostra que em 2010 a CGD, o BCP, o BES e o BPI eram detidos por acionistas portugueses, e destes apenas a CGD, que é do Estado se mantém com origem de capital nacional. Tomás Correia considera preocupante para a economia portuguesa essa realidade e cita exemplos estrangeiros em que isso não acontece.

O presidente da Associação Mutualista defendeu ainda “a resiliência notável das instituições financeiras da economia social”, por terem passado pela crise financeira e de dívida soberana sem precisar de serem intervencionadas ou ajudadas pelo Estado.

Tomás Correia defendeu o mesmo para o setor segurador, salientando que em 2010 a Fidelidade, a Tranquilidade, a Açoreana e a Ocidental eram portuguesas e em 2017 a Fidelidade é da chinesa Fosun, a Tranquilidade e a Açoreana são dos norte-americanos da Apollo, a Ocidental é da belga Ageas.

No entanto, o Grupo Montepio tentou vender 60% da Montepio Seguros que inclui a Lusitânia e a N Seguros, aos chineses da CEFC. Este tema não foi abordado pelo presidente da Associação.

A compra de 60% da “holding” seguradora pelos chineses da CEFC, que no início de dezembro de 2017 já tinha entrado no regulador, não passou no crivo da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

Tomás Correia defendeu ainda que a carga fiscal em Portugal é elevada e que “tem de ser repensada”, porque a carga fiscal que prejudica o desenvolvimento empresarial e a criação de emprego prejudica o desenvolvimento do país.

No caso do imposto sobre a especulação imobiliária que tem sido alvo de debate público depois do Bloco ter inventado a “Taxa Robles”, Tomás Correia alertou que “não se deve pagar impostos sobre o que já se paga”.

 

Ler mais
Recomendadas

Sabadell vende 80% de empresa imobiliária a fundo sueco por 300 milhões de euros

O banco espanhol consegue uma injeção de capital de 138 milhões de euros com este negócio. A Solvia está ligada ao setor do imobiliário, sendo agora detida quase na totalidade pela Lindorff, um grupo que pertence ao fundo sueco Intrum AB.

PremiumVieira Monteiro em risco de não passar no BCE

António Vieira Monteiro foi administrador da CGD em 2000, altura das perdas com a ‘Operação Caravela’.

ASF “delibera a constituição de um grupo de trabalho” para supervisionar a Associação Mutualista

A ASF desde que ganhou a supervisão das maiores Mutualistas que “dispõe de poderes de monitorização das ações e diligências adotadas pelas associações mutualistas relevantes com vista à progressiva adaptação ao quadro regulatório e de supervisão do setor segurador”, para assegurar essa função constituiu um grupo de trabalho.
Comentários