GNR e PSP conduziram 28 camiões de combustível nos dois primeiros dias da greve dos motoristas

A GNR e a PSP asseguraram, na segunda e terça-feira, o transporte de combustível em 28 camiões-cisterna no âmbito da situação de alerta declarada pelo Governo devido à greve dos motoristas de matérias perigosas, foi esta quarta-feira anunciado.

“Na sequência da situação de alerta declarada pelo ministro da Administração Interna, foram assegurados pela Guarda Nacional Republicana [GNR] e pela Polícia de Segurança Pública [PSP], entre os dias 12 e 13 de agosto, transportes de combustível em 28 veículos pesados de transporte de mercadorias perigosas”, refere o ministério da Administração Interna em comunicado hoje divulgado.

Segundo a mesma fonte, o transporte feito pelas duas forças policiais teve como destino as regiões de Lisboa, Faro, Setúbal, Sintra, Beja e Algarve.

A operação, adiantou o ministério, envolveu 49 elementos das forças de segurança.

A situação de alerta – declarada na sequência da situação de crise energética – está em vigor entre as 23:59 do dia 9 de agosto e as 23:59 de 21 de agosto.

Os motoristas de matérias perigosas e de mercadorias cumprem hoje o terceiro dia de uma greve por tempo indeterminado, que levou o Governo a decretar uma requisição civil na segunda-feira à tarde, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias, com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Recomendadas

Demora de conclusões sobre eventos-piloto não é por erro técnico, garante DGS

Numa declaração enviada à agência Lusa, a DGS afirmou que “os trabalhos de monitorização de potenciais casos de infeção de SARS-CoV-2, após a assistência aos eventos culturais piloto de abril e maio, estão ainda em conclusão”.

Um em cada quatro portugueses tem a vacinação completa. Foram administradas perto de 7 milhões de doses

De acordo com o relatório da Direção-Geral de Saúde, 25% da população já está totalmente vacinada. Mais de 4,3 milhões de portugueses aguardam pela segunda toma.

AstraZeneca admite que tratamento com anticorpos não provou eficácia

“O ensaio não atingiu o objetivo principal de prevenir casos sintomáticos de covid-19 após a exposição” ao vírus SARS-CoV-2, adiantou o grupo farmacêutico anglo-sueco em comunicado.
Comentários